Entidades fazendárias compõem projeto de revitalização do Memorial da Sefaz

167



 




O Sindicato dos Fazendários do Ceará (Sintaf), assim como as demais entidades fazendárias, compõe o grupo técnico que contribuirá com o projeto de revitalização do Memorial da Sefaz. O convênio de cooperação foi assinado na manhã desta terça-feira (28/5), durante o Bate-Papo com a secretária da Fazenda, Fernanda Pacobahyba, evento que se propõe a ser espaço de discussão dos temas fazendários. Além do Memorial da Sefaz, comemorou-se o Dia Estadual da Educação Fiscal, transcorrido no último dia 25.


 


Além de valorizar o resgate da memória da Sefaz, a Secretária da Fazenda destacou que, “com a educação fiscal, difundimos a função socioeconômica dos tributos e incentivamos a fiscalização dos recursos públicos, através do controle social”.


 


Estiveram presentes, representando as entidades, Carlos Alberto Mendonça, conhecido como “Major”, convidado de honra; Luís Pontes, presidente da UFFEC; Gentil Rolim, presidente da AAFEC; Lúcio Maia, diretor de Organização do Sintaf; Marcus Ferreira, presidente da Cafaz, Regina Pires, conselheira fiscal da Auditece; e Ivelise Benzi (Nina), coordenadora-geral da Fundação Sintaf. 


 


Resgate da história


 


Além de espaço físico, o Memorial da Sefaz contará com livro virtual e entrevistas disponíveis no YouTube, dentre outras iniciativas. “Por que reestruturar o Centro de Memória da Sefaz e como ele contribui para a educação fiscal?” foi a pergunta lançada pela Secretária da Fazenda aos presentes.


 


Carlos Alberto Mendonça, o “Major”, resgatou a história da criação do Memorial, da qual ele participou ativamente. “A ideia se concretizou na época do centenário da Sefaz (1883-1993)”, contou o servidor aposentado. O processo de busca de documentos e fotos em todo o Estado durou cerca de dois anos e contou com o auxílio de vários servidores. “Pode parecer algo sem importância, mas nós não podemos esquecer a nossa memória”, enfatizou.


 


O presidente da AAFEC, Gentil Rolim, relembrou o período em que a Sefaz se chamava “Secretaria dos Negócios da Fazenda”, e se colocou à disposição para ajudar no resgate destas memórias. Luís Pontes, presidente da UFFEC, elogiou o projeto inovador: “com certeza renderá bons frutos”. 


 


Regina Pires, conselheira fiscal da Auditece, parabenizou a iniciativa da Sefaz e se disse honrada em trabalhar nesse processo. “A memória da Sefaz, de um povo, de uma nação, é o que há de mais importante para um presente consciente e um futuro mais brilhante”, sublinhou. 


 


A coordenadora-geral da Fundação Sintaf, Ivelise Benzi, também evidenciou a importância do projeto. “Nós, brasileiros, muitas vezes visitamos museus no exterior e pouco valorizamos nossa memória. No Ceará, inclusive, temos poucos locais para visitação. Fico muito feliz com o resgate da história da Sefaz, projeto que vem se construindo com muita sensibilidade”, elogiou. 


 


Filho de fazendários e servidor da Casa, Marcus Ferreira, presidente da Cafaz, vem acompanhando mais de 50 anos de história da Sefaz. “Cheguei a visitar coletorias onde o que existia de mais avançado tecnologicamente era uma máquina de escrever e outra de calcular, com uma manivela do lado”, lembrou. “Revisitar o passado é fundamental para entendermos o presente”, disse o presidente da Caixa de Assistência, enaltecendo a iniciativa.


 


Unidas pelo bem comum


 


Em sua fala, o diretor de Organização do Sintaf, Lúcio Maia, ressaltou que uma sociedade que não preserva sua história, não tem futuro. “Todas as entidades se uniram neste projeto por um bem comum, que é a nossa Secretaria da Fazenda”, salientou. O diretor lembrou que no início era apenas a UFFEC; depois foi criada a AAFEC (antiga AIFEC) e o Sintaf, em 1988. “Isso tudo faz parte da história da Casa. O Sintaf representa toda a categoria, outras entidades representam partes específicas de cada área da Casa, mas todas juntas fazem com que a Sefaz funcione”, enfatizou. 


 


“Estamos juntos para preservar essa história e fortalecer a nossa Secretaria da Fazenda. Com uma Sefaz forte, quem ganha é a sociedade. Nós arrecadamos tributos para aplicar nas atividades fins do Estado, como educação, saúde, dentre outras. A educação pública, de qualidade, é que desenvolve a sociedade”, concluiu.


 


Memórias coletivas


 


O Memorial unirá a história da Sefaz à história das entidades, dando ênfase às memórias dos servidores aposentados. “A ideia de trazer as entidades para o projeto do Memorial foi um gol de placa da Sefaz, pois não existe história da Fazenda sem a história das pessoas e das entidades”, apontou Jaime Cavalcante, que integra o projeto.


 


Para Germana Belchior, que coordena a Assessoria de Relações Institucionais (Arins) e está à frente do projeto, o Memorial da Sefaz é fundamental para o desenvolvimento da educação fiscal, contribuindo para a relação entre a Secretaria da Fazenda e a sociedade. “Se queremos fortalecer o Estado, isso só será possível com a educação fiscal”, pontuou.


 


A diretora Adjunta de Assuntos Culturais e Sociais do Sintaf, Joelina Barros, representará o Sintaf no grupo técnico de revitalização do Memorial da Sefaz.