Sintaf participa da abertura da Semana do Fazendário

97



 




O diretor de Organização do Sintaf, Lúcio Maia, participou, na manhã desta segunda-feira (24/9), conjuntamente com os dirigentes das demais entidades fazendárias, da mesa de abertura da Semana do Fazendário 2018. Promovida pela Secretaria da Fazenda do Ceará (Sefaz), através da Célula de Desenvolvimento de Pessoas (CEDEP), a Semana do Fazendário conta com diversos eventos e atividades, a exemplo de exposição de fotografias, oficinas, coleta de sangue, lançamento de livros e seminários no interior do Estado.


 


Em sua fala, Lúcio enalteceu o trabalho do servidor fazendário, cuja missão é arrecadar os tributos necessários ao desenvolvimento do Estado, além de administrar as finanças estaduais. “A Sefaz Ceará está completando 182 anos com um diferencial: nosso Estado é um dos melhores do País em termos de situação fiscal. Isso se dá pela maneira correta e eficiente com que trabalham os fazendários cearenses”, destacou o diretor.

 


 



 




Lúcio defendeu, ainda, que em virtude do trabalho desempenhado pelos servidores, o governo deve ter maior atenção quanto aos pleitos da categoria. “Nossas reivindicações são justas; somos nós que arrecadamos recursos para serem aplicados nas funções do Estado, como educação, saúde, saneamento, segurança e demais investimentos em benefício da sociedade”, acrescentou o diretor, reforçando que o Estado tem potencial arrecadador maior do que arrecada hoje. “Basta a Administração Fazendária rever tempestivamente a carga tributária e os benefícios fiscais”, disse.


 


A mesa de abertura contou ainda com as presenças do secretário da Fazenda do Ceará, João Marcos Maia, do presidente da AAFEC, Gentil Rolim, da diretora-geral da Fundação Sintaf, Yvelise Benzi, do presidente da Cafaz, Marcus Augusto, do presidente da UFFEC, Luís Pontes, e do diretor executivo da Auditece, Juracy Braga.


 



 


O evento contou com apresentação do Coral da Sefaz, que executou os hinos nacional e do Ceará 


 


Superando desafios


 


Após a fala das entidades, teve início a palestra “Superando desafios”, com o navegador brasileiro Amyr Klink. Através de seu relato – ele fez a primeira travessia solitária a remo do Atlântico Sul, em 1983, navegando 3.700 milhas em 100 dias – Klink falou de sua experiência em superar desafios, já que os problemas surgem mesmo diante do mais cuidadoso planejamento. “O planejamento é um processo vivo, é algo dinâmico. Você precisa ter capacidade técnica, mas também sensibilidade, adaptação”, apontou. 


 


“A atividade de vocês é a base, o alicerce para o crescimento e o bem estar da Nação”, disse Amir Klink sobre a atividade fazendária. “Imaginemos o nosso País como uma embarcação. Uma das características do barco é que ele afunda. Então se estamos todos dentro do mesmo barco, somos todos colaboradores”, ressaltou. “Nesta viagem, você não é passageiro, mas condutor. É você quem escolhe o destino”.