Puxada pela educação, Grande Fortaleza tem inflação de 0,84%

13

| IPCA | Levando em consideração apenas a variação nos últimos 12 meses, o aumento foi de 4,8%. Já no acumulado no ano cresceu 1,53%

A Grande Fortaleza apresentou uma inflação de 0,84% em fevereiro de 2024, sendo a sexta maior taxa do Brasil no mês, dos 16 locais pesquisados. O resultado foi puxado pelo grupo de educação e também de comunicação. Levando em consideração apenas a variação nos últimos 12 meses, o aumento foi de 4,8%. Já no acumulado no ano cresceu 1,53%.

Os dados foram apresentados ontem, 12, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que mede a inflação oficial, por meio do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

O índice superou a média nacional tanto no resultado dos últimos 12 meses quanto no mensal, que ficou em 4,5% e 0,83%, respectivamente.

Veja lista com produtos que mais subiram e mais caíram em janeiro

Dentre todos os itens analisados, as maiores altas de preços na Grande Fortaleza ficaram com laranja-pera (17,35%), pré-escola (9,34%) e cebola (8,77%). Veja lista:

  • Laranja-pera (17,35%)
  • Pré-escola (9,34%)
  • Cebola (8,77%)
  • Cenoura (7,69%)
  • Feijão-macáçar (7,5%)
  • Ensino fundamental (7,49%)
  • Banana-prata (7,28%)
  • Ensino médio (6,61%)
  • Cursos regulares (6,34%)
  • Batata-inglesa (5,48%)

Por outro lado, a maiores baixas foram registradas nos seguintes produtos pesquisados pelo IBGE:

  • Maracujá (-25,54%)
  • Passagem aérea (-12,43%)
  • Mamão (-8,92%)
  • Peixe-serra (-8,02%)
  • Costela (-7,68%)
  • Tomate (-6,84%)
  • Cinema, teatro e concertos (-5,2%)
  • Carne de porco (-4,75%)
  • Fubá de milho (-4,56%)
  • Gás veicular (-4,46%)

Na análise dos grupos onde os itens estão inseridos, o de educação (5,46%) puxou a alta de fevereiro em Fortaleza, sobretudo devido à pré-escola. Logo depois vem o grupo de comunicação (1,53%).

Já o de alimentação e bebidas, que tem o maior peso regional, aumentou 0,89%.

Vale lembrar que o IPCA é referente a famílias residentes nas áreas urbanas, com rendimentos um a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte de rendimentos.

INPC aumenta 0,63% na Grande Fortaleza
Já o Índice de Preços ao Consumidor (INPC) na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) também teve alta (0,82%) em fevereiro de 2024, acima da variação registrada no mês anterior (0,63%).

Nos últimos 12 meses, o INPC acumula um crescimento de 4,8%. Já no acumulado do ano, o resultado não é diferente, com aumento de 1,45%.

Nesta pesquisa, consideram-se famílias residentes nas áreas urbanas das regiões, com rendimentos de um a cinco salários mínimos, cuja pessoa de referência é assalariada.

Cenário da inflação nacional
A inflação do País acelerou em fevereiro e registrou alta de 0,83%, após fechar janeiro em 0,42%. Os preços do grupo de Educação tiveram o maior crescimento (4,98%).

No ano, o IPCA acumula alta de 1,25% e, nos últimos 12 meses, de 4,50%. Em fevereiro de 2023, a variação havia sido de 0,84%.

Dos nove grupos pesquisados, sete tiveram alta em fevereiro. Nas atividades de Educação, a maior contribuição veio dos cursos regulares (6,13%).

“Esse resultado se deve aos reajustes habitualmente praticados no início do ano letivo”, explica o gerente da pesquisa, André Almeida.

As maiores altas nos preços vieram do ensino médio (8,51%), do ensino fundamental (8,24%), da pré-escola (8,05%) e da creche (6,03%). Também houve aumento na inflação do curso técnico (6,14%), ensino superior (3,81%) e pós-graduação (2,76%).

Além de Educação, outros grupos também tiveram altas em destaque, como Alimentação e bebidas, que aumentou 0,95%.

Na alimentação no domicílio, a alta foi de 1,12%, com influência dos aumentos de preços da cebola (7,37%), da batata-inglesa (6,79%), das frutas (3,74%), do arroz (3,69%) e do leite longa vida (3,49%).

“Neste caso, houve influência do clima, por conta de temperaturas mais elevadas e um maior volume de chuvas”, justifica André.

Já a alimentação fora do domicílio teve alta de 0,49%, acelerando em relação ao mês de janeiro, quando registrou inflação de 0,25%.

O subitem refeição foi outro cujos preços aceleraram: 0,67% em fevereiro contra 0,17% em janeiro. Já o lanche fechou em 0,25%, desacelerando em relação ao mês anterior (0,32%).

A inflação de fevereiro também foi pressionada pelo grupo Transportes, com alta de 0,72%, com aumento no subitem táxi (0,64%) e ônibus urbano (1,91%).

Se por um lado, as passagens áreas tiveram o maior impacto negativo de todo o índice, com queda de 10,71%, por outro, todos os combustíveis pesquisados tiveram alta: o etanol (4,52%), o gás veicular (0,22%), o óleo diesel (0,14%) e, principalmente, a gasolina (2,93%).

No grupo Habitação (0,27%), destacam-se a alta da taxa de água e esgoto (0,11%) e a queda em gás encanado (-1,40%).

Já em Comunicação, com inflação de 1,56%, o resultado foi pressionado pelas altas de tv por assinatura (4,02%) e do combo de telefonia, internet e tv por assinatura (3,29%).

Além disso, regionalmente, todas as áreas de abrangência da pesquisa tiveram alta de preços, com a maior variação em Aracaju (1,09%), influenciada pela gasolina (10,45%). O menor resultado foi registrado em Rio Branco (0,26%), por conta da queda nos preços da passagem aérea (-19,37%).

Em relação ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), houve um aumento de 0,81% em fevereiro, acima do registrado no mês anterior (0,57%).

No ano, o INPC acumula alta de 1,38% e, nos últimos 12 meses, de 3,86%, acima do observado nos 12 meses imediatamente anteriores (3,82%). Em fevereiro de 2023, a taxa foi de 0,77%.

Os produtos alimentícios tiveram variação de 0,95% enquanto os não alimentícios registraram 0,77%.

Todas as áreas registraram alta, com a maior variação em Aracaju (1,01%), influenciada pela alta da gasolina (10,45%), e a menor variação em Goiânia (0,51%), puxada pelas quedas da passagem aérea (-23,75%) e das carnes (-1,40%).

Fonte: O Povo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here