OPINIÃO: Bolsonaro é o grande laranja

445


Via Blog do Eliomar de Lima


 Com o título “Bolsonaro é o grande laranja”, eis artigo de Plínio Bortolotti, jornalista do O POVO, que pode ser conferido também em seu Blog. Ele aborda o presidente e as denúncias de candidaturas laranja, entre outros itens. Confira:


 


“O presidente Jair Bolsonaro chegou ao Palácio do Planalto representando um conjunto de forças contraditórias (extrema-direita, direita, conservadores e liberais), cujo único motivo a uni-los era o ódio ao PT, devido à sua incipiente política social, pois o partido não mexeu em nenhuma das estruturas que perpetuam a desigualdade no Brasil.


O BAIXO CLERO


Porém, Bolsonaro não foi escolhido pelas suas qualidades, pois nele faltam, nem por uma destacada atuação política. Ele ascendeu na preferência das elites por exclusão. Sabiam que nem Geraldo Alckmin, nem Henrique Meirelles tinham popularidade suficiente enfrentar o candidato do PT. As atenções voltaram-se assim a um deputado do baixo clero, cuja única atuação marcante nos seus 20 anos como parlamentar havia sido a truculência e a pronúncia de uma impressionante coleção de frases belicosas, racistas, homofóbicas e misóginas, afora o seu amor por torturadores.


O ANTI-LULA


Além disso, ele era visto como o candidato “anti-Lula”, “anti-esquerda”, “anticorrupção” e “antissistema”, acrescido de seu apelo demagógico em “defesa da família”; tudo coberto com o glacê de “Deus acima de tudo”. Um coquetel que não engana nem mesmo alguém com apenas cinco minutos de experiência política, mas extremamente eficaz para cabalar votos de eleitores desavisados – e são muitos. Era essa coisa amorfa, portanto, que estava disponível à elite, ao “mercado” e a setores militares, depois do naufrágio dos candidatos mais sofisticados.


OS PILARES


Mas havia dois pilares, com total confiança das forças patrocinadoras da candidatura Bolsonaro: o liberal Paulo Guedes (Economia), para garantir a precedência do “mercado” e o general Hamilton Cruz (e o grupo militar), para controlar a figura errática e as ideias estrambóticas do “capitão”. Assim, enquanto os adultos ficariam cuidando do que interessa, Bolsonaro poderia continuar se divertindo com seus filhos no Twitter e no Whatsapp e brincando de antiglobalista arquiconservador com seus exóticos ministros: Damares Alves (Família), Vélez Rodrígues (Educação) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores), com a bênção do “filósofo” Olavo de Carvalho.


OS MILITARES


Para verificar protagonismo dos militares no governo, basta observar a desenvoltura com que age o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, que trabalha em consonância com seus amigos generais. A crise envolvendo o secretário-geral da Presidência da República, Gustavo Bebianno, é um exemplo de como a tutela sobre o presidente é exercida por esse grupo fardado.


O MENTIROSO


Como é sabido, o vereador do Rio, Carlos Bolsonaro, filho do presidente, chamou Bebianno de “mentiroso” por uma rede social, em meio à crise dos supostos laranjas do PSL. O próprio presidente, em apoio ao filho, replicou a postagem em seu Twitter. Depois, em entrevista à TV Record, Bolsonaro apontou que Bebianno teria de “voltar às origens”, ou seja, sair do governo, caso estivesse envolvido em irregularidades.


Bebianno, um dos artífices da eleição de Bolsonaro, em vez de pedir demissão, passou a dar declarações ameaçadoras, afirmando, por exemplo, que o problema poderia “respingar” no presidente, entre outras diretas, indiretas e insinuações. Também começou a mexer os seus pauzinho, apelando para os militares e para Paulo Guedes, rejeitando o “pede pra sair” do capitão. Portanto, a única providência que restava ao presidente, para demonstrar autoridade, seria demiti-lo.


A REFORMA


Temendo que os estilhaços da crise atingissem a reforma da Previdência e levassem a uma desordem generalizada no governo, os militares entraram em campo para pôr ordem na bagunça, que tendia a crescer. Depois da pajelança, o núcleo militar resolveu que Bebianno ficaria no governo, providência anunciada pelo chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.


O ACERTO


Mas, ao que parece, Bolsonaro rejeitou a decisão de seus tutores, deixando o negócio em banho-maria, procurando uma terceira via entre a permanência no cargo e a demissão sumária do secretário-geral. O presidente, pelo visto, procurava uma “terceira via”. Nessa busca, segundo informações divulgadas pelos jornais, o presidente teria oferecido, inicialmente, como prêmio de consolação, a diretoria de uma estatal; depois, o lance teria sido aumentado: o comando da embaixada brasileira em Roma. As duas propostas teriam sido recusadas por Bebianno.


Depois de cinco dias de idas e vindas, nesta segunda-feira (18/2/2019), o vice-presidente deu um ultimato para o fim da novela: “De hoje não passa”. De fato, no início da noite desse dia foi divulgada a exoneração de Bebianno, sob a alegação que Bolsonaro o demitira por motivos de “foro íntimo”, criando assim o presidente um motivo nunca anos alegado na história do país, nem do mundo inteiro inteiro, para o afastamento de um ministro de Estado.


De todo modo, qualquer resultado seria desmoralizante para o presidente: se mantivesse Bebianno no governo (mesmo em outro cargo), revelaria o seu temor do desafeto; exonerando-o, depois de cinco dias do início da crise – tendo no meio uma tentativa de acertos -, não melhora muito o quadro.


O GENERAL


O novo nomeado como titular da Secretaria-Geral da Presidência é o general Floriano Peixoto, que exercia o papel de secretário-executivo na pasta. Peixoto é o oitavo militar no primeiro escalão do governo. A partir de agora, entre os quatro ministros que despacham diretamente no Palácio do Planalto, somente Onyx Lorenzoni é civil.


O TUTELADO


Visto assim, parece que o grande laranja do governo é o próprio Jair Bolsonaro, que acreditou ser um “mito”, quando é, na verdade, apenas o testa de ferro de forças político-econômicas que ele mal compreende. É certo que, de vez em quando, Bolsonaro ameaça sair do cercadinho, como o fez nessa crise. Mas o enquadro dos militares, o grupo encarregado de pastorá-lo, será cada vez maior. Assim, sendo, dispõe-se de um presidente tutelado, cujos titereiros vão usá-lo até quando for útil. Depois, terá o destino das laranjas, depois de passadas no espremedor.


 


*Plínio Bortolloti, Jornalista do O POVO.