MAIS DE R$ 20 MILHÕES DESVIADOS: Operação da PF combate fraudes em licitações no Ceará e outros quatro estados do Nordeste

146


Alagoas, Pernambuco, do Rio Grande do Norte e da Paraíba também são alvos.


Os policiais federais estão cumprindo seis mandados de prisão preventiva, cinco de busca e apreensão (Foto: Marcelo Camargo / Arquivo Agência Brasil)


A Operação Recidiva, teve sua segunda fase deflagrada hoje, 11 pela Polícia Federal (PF), combate uma organização criminosa responsável por desviar recursos públicos e fraudar licitações em municípios dos estados do Ceará, de Alagoas, Pernambuco, do Rio Grande do Norte e da Paraíba.


Nesta segunda etapa, o Ceará não é alvo de investigações. O território cearense só foi alvo da primeira fase da operação, deflagrada no último dia 22 de novembro, em que foi constatado que investigados estavam “destruindo e ocultando provas deliberadamente para embaraçar a investigação criminal”.


Além disso, a investigação comprovou a “falsificação de documentos do acervo técnico das empresas para participar fraudulentamente das licitações, por intermédio de atestados e certidões falsos emitidos por engenheiros de empresas investigadas”.


Nesta segunda etapa, os policiais federais estão cumprindo seis mandados de prisão preventiva, cinco de busca e apreensão. Eles também cumprem mandados de sequestro de bens nos municípios paraibanos de João Pessoa e Patos.


Os crimes apurados na operação são de corrupção, lavagem de dinheiro, organização criminosa, fraude de licitação e falsidade ideológica. Operação também conta com o apoio de auditores do Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU).


 


Primeira fase


Na primeira fase, a operação investigou esquema criminoso de fraudes em licitações e desvios de recursos públicos em municípios do interior da Paraíba. O montante investigado, entre 2015 e 2018, somava mais de R$ 20 milhões.


“De acordo com as apurações, organização criminosa atuava para fraudar licitações públicas em municípios paraibanos, bem como de outros estados do Nordeste, para desviar recursos destinados a obras de infraestrutura, de educação e de saúde. A operacionalização era feita mediante a utilização de empresas de fachada e pagamento de propina a funcionários públicos, com posterior lavagem desse dinheiro”, diz a nota divulgada pela CGU.


 


Redação O POVO Online, com Agência Brasil