Investidores seguem preocupados com economia da China apesar de medidas; entenda

18

Na terça-feira (5), país anunciou meta de crescimento de 5% para esse ano; analistas questionam viabilidade

Os líderes chineses comprometeram-se a alcançar uma taxa de crescimento ambiciosa este ano, ao mesmo tempo que remodelam a economia para se concentrar na inovação tecnológica.

Mas a forma como Pequim implementará esta visão permanece incerta, e a sua resistência a quaisquer medidas de estímulo importantes para aumentar o rendimento e estimular o consumo decepcionou os investidores, enviando-os para a saída.

Na terça-feira (5), o primeiro-ministro Li Qiang anunciou a meta de crescimento econômico de cerca de 5% para 2024, que ele disse que “não será fácil” de atingir, dado que um 2022 abalado pela Covid proporcionou uma base de crescimento mais baixa para o ano passado.

Li também prometeu tornar a atualização industrial uma prioridade e apostar na inovação tecnológica.

Depois que as metas foram anunciadas na terça-feira, o índice Hang Seng de Hong Kong caiu 2,6%. Na semana, ele recuou cerca de 1% e perdeu quase 20% nos últimos 12 meses.

“O nível de apoio é provavelmente muito baixo para impulsionar a economia para o seu objetivo de crescimento de 5% este ano”, disse Sarah Tan, economista da Moody’s, referindo-se às medidas anunciadas por Li na terça-feira.

Ela disse que são necessários maiores gastos das famílias para acabar com a deflação na China.

Em janeiro, os preços ao consumidor caíram pela taxa mais rápida em 15 anos, marcando o quarto mês consecutivo de queda. Em 2023, os preços subiram apenas 0,2% ao longo do ano.

“As transferências familiares diretas que procurávamos” não vieram, acrescentou Tan.

Pequim se absteve de lançar projetos massivos para estimular o consumo e impulsionar a economia nos últimos anos. O governo não ofereceu nenhuma das doações em dinheiro a nível nacional vistas em outras grandes economias durante a era Covid.

Embora isto tenha ajudado a China a evitar a inflação desenfreada vivida por grande parte do resto do mundo, o rendimento disponível das famílias caiu à medida que os salários estagnaram e os valores dos ativos imobiliários caíram.

Andando em uma corda bamba
A trajetória de crescimento da China é uma grande preocupação para os investidores e legisladores globais que passaram a confiar nela para impulsionar a expansão econômica global.

Mas Pequim parece estar numa posição difícil, na qual precisa promover o crescimento e ao mesmo tempo conter o nível da dívida pública, o que explica por que as medidas de estímulo têm sido modestas.

Três anos de rigorosas restrições durante a pandemia, que terminaram no início de 2023, e uma crise imobiliária esgotaram os cofres dos governos locais, deixando cidades de todo o país com montanhas de dívidas.

“A China está caminhando na corda bamba na frente fiscal entre o estímulo à infraestrutura e a desalavancagem do LGFV (veículo de financiamento do governo local)”, disseram analistas do Goldman Sachs na quarta-feira (6).

A experiência do país desde 2023 sugere que “os governos locais podem estar aquém da capacidade de estabilizar o crescimento, dada a recessão imobiliária sem precedentes e a maior pressão da dívida”, acrescentaram.

Li fixou o déficit orçamentário deste ano em 3%, o que foi igual à meta inicial do ano passado, mas inferior ao valor final revisto de 3,8%.

Ele permitiu que os governos locais emitissem 3,9 trilhões de yuans (R$ 2,7 trilhões) em títulos especiais, o que estava no limite inferior da faixa de previsão do mercado de 3,8 trilhões (R$ 2,63 trilhões) a 4,1 trilhões de yuans (R$ 2,84 trilhões) e considerado um valor relativamente modesto.

Estas obrigações especiais são utilizadas principalmente para despesas em infraestrutura.

Para reduzir os riscos da dívida, Pequim instruiu 12 governos locais a atrasar ou suspender alguns projetos de infraestrutura financiados pelo Estado, de acordo com uma nota da Reuters em janeiro, citando fontes anônimas.

Estas 12 províncias contribuem com cerca de 22% para o investimento total em infraestruturas da China e 18% do produto interno bruto (PIB), estimaram os analistas do Goldman.

Dada esta recente repressão à dívida do governo local, o ainda problemático setor imobiliário e a base de comparação muito mais elevada de 2023, “achamos que a meta de crescimento do PIB de ‘cerca de ‘5%’ será muito desafiadora”, disseram os analistas da Nomura na terça-feira.

Objetivos em tecnologia
Na terça-feira, grande parte do discurso de Li foi dedicado aos objetivos estratégicos do país, incluindo planos para aumentar o orçamento anual para ciência e tecnologia em 10%, para US$ 51,6 bilhões, o maior aumento desde 2019, após anos de crescimento mínimo.

A principal tarefa de 2024 é promover a construção de um sistema industrial moderno e acelerar o desenvolvimento de “novas forças produtivas”, disse ele.

“Novas forças produtivas” é um termo cunhado pelo Presidente Xi Jinping no ano passado para se referir a setores de alta tecnologia, como veículos de novas energias, inteligência artificial, energias renováveis ​​e produção avançada.

A inclusão do termo indica o desejo de Xi de promover as indústrias verdes e de alta tecnologia do futuro e impulsionar o país na corrida global por tecnologias críticas.

No relatório de trabalho, o Primeiro-Ministro Li comprometeu-se a fazer o país subir nas cadeias de valor globais e a tornar os produtos “made in China” mais competitivos.

“Houve mais ênfase na ambição de longo prazo da China de atualizar a sua cadeia de abastecimento industrial e melhorar as suas capacidades de produção”, de acordo com Peiqian Liu, economista para a Ásia da Fidelity International.

Mas só essa conversa não será suficiente. Para atingir a ambiciosa meta de crescimento de 5%, são necessários estímulos mais específicos, como o aumento dos investimentos industriais, disse Liu.

Isto deixa a política monetária – taxas de juro e outras ferramentas utilizadas pelos bancos centrais – como a provável arma chave para estimular o crescimento.

Na quarta-feira, Pan Gongsheng, governador do Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês), disse que a autoridade tem ferramentas políticas “ricas” à sua disposição e que ainda há espaço para novos cortes nas taxas de juro.

O PBoC manterá a liquidez em níveis razoavelmente amplos este ano e se concentrará na melhoria da confiança e na estabilização dos preços, disse ele.

Em fevereiro, a autoridade monetária reduziu a taxa básica de juros do empréstimo de cinco anos em 25 pontos base, a maior redução desde 2019.

“Vemos uma grande probabilidade [do PBOC] de expandir o seu balanço mais do que em 2023 através de ferramentas estruturais” para apoiar setores específicos, como tecnologia, energia e consumo, disseram analistas da Jefferies numa nota na terça-feira.

Fonte: CNN Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here