Greve continua forte nas unidades fazendárias

176


No segundo dia de greve dos fazendários cearenses, a categoria seguiu firme na luta por seus direitos. Ao percorrer as unidades da capital e interior do Estado, os diretores do Sintaf reforçaram a importância dos servidores estarem unidos e mobilizados como forma de pressionar o governo. “Não fomos nós que descumprimos o que foi negociado. Agora, queremos uma audiência com o governador Camilo Santana; quem decide é ele. O projeto ainda pode ser aprovado este ano”, destacou o diretor de Organização do Sintaf, Lúcio Maia, no ato realizado na manhã desta sexta-feira (6/7), na Praça dos Fazendários (Sede I).


 


“O receio de paralisar foi vencido pela consciência da necessidade. A Sefaz é um órgão centenário e estratégico; a remuneração variável de seus servidores precisa ter segurança jurídica, a exemplo do que já acontece em outros órgãos do Estado”, salientou o diretor Jucélio Praciano.


 


Para o diretor Kleber Silveira, os fazendários lutam por um direito justo. “Se esse movimento não for suficiente, vamos programar outras paralisações. O que não pode é acontecer essa quebra de compromisso por parte do governo”, apontou o dirigente sindical.


 


“Assim como a categoria, nós fomos pegos de surpresa, já que estava tudo negociado”, evidenciou o diretor Pedro Vieira. “Nosso pleito é justo e plausível. Nós apresentamos a proposta inicial, compreendemos o momento, negociamos a contraproposta com o governo e ainda assim ele não cumpriu. Isso é inadmissível”, completou.


 


“Não podemos nos esquivar de discutir o processo de reformulação do nosso modelo remuneratório. O PDF vai continuar, mas a nossa dependência a ele vai diminuir. O caminho é a incorporação; é uma evolução que a carreira terá”, evidenciou o diretor Thiago Paiva.


 


Segundo o diretor Lúcio Maia, o Sintaf e a categoria acataram todos os prazos solicitados pela Administração Fazendária e levaram a negociação até o limite. “Não se pode dizer que fomos intransigentes. Esse protesto é para que o governo não esqueça que o nosso projeto precisa ser aprovado este ano”, concluiu. 


 


A Diretoria Colegiada parabeniza toda a categoria pelo sucesso da greve.