Eventos da alta estação impulsionam economia cearense

225


Com a previsão de receber 449 mil turistas durante a alta estação de julho, volume 12,6% maior que o ano passado, segundo estimativa do Governo do Estado, os eventos tradicionalmente previstos para acontecer durante este mês são considerados um atrativo a mais.


Fortal, Halleluya, Expocrato e Sana estão na lista de festas que impulsionam o turismo no Estado. A ocupação hoteleira deverá ter uma média de 81,71%, ainda de acordo com o Governo do Estado. Em Fortaleza, a média deve ser um pouco menor durante o mês de julho: 70%, conforme revela a vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (Abih) do Ceará, Ivana Bezerra.


“Mas na semana que coincide o Fortal e Halleluya batemos 90% facilmente. Hoje, temos cerca de 68% dos leitos reservados, mas é um número que cresce a cada semana, porque as pessoas estão deixando para reservar de última hora”, explica. Ela acrescenta que, na semana passada, esse patamar estava em 60%. Ao todo, a Capital possui cerca de 18 mil leitos disponíveis.


Um dos eventos de maior longevidade do Ceará, o Fortal já acontece há 28 anos. Um dos sócios-fundadores, Colombo Cialdini, aponta que o festival gera impacto em 54 setores da economia, como rede hoteleira, setor gastronômico, artesanato, entre outros. “A ocupação hoteleira durante nosso evento é a segunda maior do ano, perdendo apenas para o Réveillon”, afirma.


Ele destaca que cerca de 80% do público que deve participar do carnaval fora de época neste ano é de turistas brasileiros e estrangeiros.


“A nossa malha aérea doméstica e internacional é muito boa. Dentro do País, os principais emissores de brincantes são do Estado de São Paulo, capital e interior, as cidades de Brasília, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, além dos estados do Norte e Nordeste como um todo”. Já entre os estrangeiros, Cialdini afirma que a maioria vem de Portugal, Espanha e França.


O sócio-fundador do Fortal ainda aponta que 40 mil empregos, diretos e indiretos, são gerados antes, durante e depois da festa.


Turismo religioso


O Festival Halleluya 2019, que está na 23ª edição, deve atrair cerca de 200 mil pessoas em cada uma das cinco noites do evento. Apesar de oferecer entrada gratuita e ser produzido com patrocínios e doações, o Halleluya gera impacto econômico ao atrair turistas, que irão comprar passagem aérea, reservar hospedagem, além de gastar com alimentação e transporte.


Algumas agências de viagens, como a American Tour Operator – operadora oficial do encontro -, montaram pacotes voltados para quem quer marcar presença. A produção informou que há várias caravanas do interior do Ceará e de outros estados.


“Qualquer evento, seja corporativo ou de lazer, como esses que citamos, trazem um impacto substancial, porque aquece diversos segmentos econômicos”, ressalta Ivana Bezerra. Ela ainda cita o Sana, que aconteceu de sexta-feira (12) a domingo (14), como um dos eventos propulsores da ocupação hoteleira.


Um dos diretores do Sana, Daniel Braga, estima que o evento injete R$ 10 milhões na economia do Estado, expectativa que leva em consideração o período de produção e montagem das estruturas e os dias da festa. Braga também afirma que o Sana gera cerca de 2,2 mil oportunidades de emprego, sendo 200 colaboradores diretos e 2 mil indiretos. A projeção da organização é que 70 mil pessoas tenham passado pelos três dias de festival.


Turismo de experiência


Segundo o secretário do Turismo de Fortaleza, Alexandre Pereira, o turismo de experiência é a tendência mais atual e que deve ser constantemente trabalhada. “Eu costumo dizer que as pessoas não viajam mais para tirar foto em monumento. Então esses eventos, que geram um experiência, é o que deixa a cidade viva, é nosso diferencial. Voltamos com o projeto Pôr do Sol, com o pianista Felipe Adjafre tocando na Praia de Iracema ao pôr do sol. Nossa intenção é fazer com que o turista fique mais um dia na cidade”.


“Esses eventos, já consolidados, contribuem muito para esses números, tanto na Capital como na região Sul do Estado”, diz o secretário do Turismo do Estado, Arialdo Pinho.


Interior


Conhecidas pelas belezas naturais e pela cultura, as cidades do interior do Estado também recebem eventos que atraem muitos turistas neste período de férias.


É o caso, por exemplo, da Expocrato, que marca o início das férias na região do Cariri. Segundo o escritório regional do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), são duas semanas com ocupação hoteleira entre 80% e 90%, chegando aos 100% nos últimos quatro dias da exposição.


A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), que administra o Aeroporto de Juazeiro do Norte, estima que, entre o fim de junho e o início de agosto, são esperados cerca de 54 mil passageiros, entre embarques e desembarques e 884 pousos e decolagens.


No ramal rodoviário, são 68 viagens diárias entre Fortaleza e Juazeiro do Norte, segundo a organização da Expocrato. A festa recebe, em nove dias, 500 mil visitantes de várias cidades cearenses e estados vizinhos. A produção geral da Expocrato emprega em torno de 3 mil pessoas, entre profissionais de limpeza, agentes de portaria, emergência médica, contratados para bares, operadores de caixa e seguranças patrimoniais.