EMBARGO: Rodrigo Maia não confirma manutenção do BNB em reunião com frente nordestina

225


Apesar de Alcolumbre demonstrar interesse em apoiar a bandeira da bancada, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, não mostrou tanta empolgação.


A frente nordestina reuniu parlamentares nesta terça-feira, 16, em defesa da manutenção do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) e de outro órgãos. Houve encontro com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e com o presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Além disso, a frente nordestina esteve presente com Vicente Santini, secretário de Onyx Lorenzoni (DEM-RS), chefe da Casa Civil.


Havia representação das nove Assembleias Legislativas, estando presente seis presidentes. Faltaram os presidentes do Ceará, Pernambuco e Sergipe, embora houvessem outros representantes. Na ocasião, os deputados apresentaram a “Carta de São Luís’, documento que contém as demandas da frente parlamentar.


As reivindicações estão descritas na “Carta de São Luís”, documento expedido no dia 29 de março, de autoria da ParlaNordeste


O deputado federal Moses Rodrigues (PMDB-CE) afirmou ao O POVO Online que não vê possibilidade de fusão do BNB com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no atual cenário. “Nossa bancada do Ceará foi muito ativa nesse sentido, de estar discutindo. Eu tenho plena convicção de que isso não acontecerá e nem será pautado em nenhum momento nem da agenda do Governo Federal, e nem do ministro Paulo Guedes”.


Outros deputados, como Acrísio Sena (PT-CE) e Danniel Oliveira (MDB-CE), foram menos otimistas. Apesar de Alcolumbre demonstrar interesse em apoiar a bandeira da bancada, inclusive propondo que ampliassem a frente parlamentar do Nordeste para uma frente Norte-Nordeste, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, não foi tão receptivo. A reunião com Alcolumbre durou cerca de uma hora, enquanto com Maia não passou de 20 minutos. “Ele acha que seria absolutamente tranquilo e normal a fusão do Banco do Nordeste com o BNDES”, contou Acrísio Sena ao O POVO Online.


De acordo com Danniel Oliveira, Maia não afirmou se haveria ou não a fusão, nem deu “tranquilidade como o presidente do Senado”, embora tenha deixado claro que caso a medida chegasse a ser aprovada, o Banco do Nordeste continuaria com “seu teor de mecanismo, que é banco de fomento”.


“Ele não disse nenhuma palavra clara, se teria ou não, mas nos deixou preocupados porque creio que quem não é nordestino nem nortista, não tem o sentimento que nós temos de defesa.”


Ainda não há previsão de reunião com Onyx. De acordo com Danniel, tudo vai depender do gabinete do chefe da Casa Civil. A preocupação é que após Reforma da Previdência, quando não há mais necessidade de votos qualificados, possa ser efetivada a fusão do Banco do Nordeste. “A reunião hoje com o presidente da Câmara nos deixou mais preocupados ainda”, afirmou Danniel.


Com informações da repórter Luana Vieira | LUCAS DE PAULA