Conjuntura econômica e inteligência emocional pautam seminário promovido pelo Sintaf

90


“Servidor Fazendário: essencial ao desenvolvimento do Estado” foi o tema do seminário promovido pelo Sintaf nesta quarta-feira (26/9), em comemoração ao Dia do Fazendário. Na ocasião, o diretor de Organização do Sintaf, Lúcio Maia, fez uma exposição sobre a conjuntura econômica atual do Brasil e suas implicações para a sociedade, e a terapeuta holística e educadora empresarial, Magui Guimarães, palestrou sobre “inteligência emocional para vencer adversidades”.


 


“São dois temas distintos, mas que se complementam. Em tempos de crise, precisamos de inteligência para vencer as dificuldades”, destacou o diretor Lúcio Maia, na abertura do evento. “Parabenizamos todos os fazendários pelo seu dia!”, completou. O coordenador da Administração Fazendária, Francisco Xavier de Vasconcelos, agradeceu ao Sintaf e demais entidades fazendárias pelo apoio à Semana do Fazendário 2018. “Que continuemos nessa busca incessante de cuidar uns dos outros, mantendo a Casa unida”, declarou.


 


O presidente da AAFEC, Gentil Rolim, felicitou todos os servidores, ativos e aposentados, pela ocasião. “Sempre que a categoria se reúne para debater questões de seu interesse, nós (aposentados) estamos juntos”, ressaltou. A diretora-geral da Fundação Sintaf, Yvelise Sales, também se fez presente: “Que tenhamos orgulho e honremos o nosso trabalho, que tem grande repercussão na sociedade”, lembrou. Luís Pontes, que na oportunidade representou a Diretoria da Cafaz Saúde, parabenizou todos os fazendários, além do Sintaf. “A Cafaz é sempre solidária às lutas do Sindicato”, afiançou. O diretor de Patrimônio da UFFEC, Walmar Lima, reforçou as felicitações e evocou o espírito de união da categoria fazendária.


 


Vontade política


 


Em sua exposição, o diretor de Organização do Sintaf, Lúcio Maia, apresentou os principais dados referentes à situação econômico-financeira da União e do Estado. Diante da crise econômica, o dirigente sindical não apenas expôs problemas, mas apontou soluções que implicam em incremento da arrecadação sem aumento da carga tributária. “Basta vontade política. As eleições vêm aí e precisamos escolher candidatos que apoiem os ideais progressistas, que visam fortalecer o Estado e melhorar a vida do povo”, apontou.


 


O diretor destacou a altíssima taxa de desemprego da população, que chegou a 13,1% este ano. “Isto considerando apenas os empregos formais”. Lúcio ressaltou ainda que o gasto com o pagamento do serviço da dívida pública, até o terceiro bimestre deste ano, chegou a 49,7% do orçamento da União. “Isso não existe em nenhum país do mundo. A filosofia do atual governo é priorizar o capital financeiro especulativo”, criticou. 


 


Para o diretor, que também é pesquisador do Observatório de Finanças Públicas do Ceará (Ofice), a alternativa é alterar o pacto federativo, transferindo as receitas das contribuições sociais, hoje 100% na União, para estados e municípios aplicarem em saúde, assistência e previdência. “Isto é fundamental e precisa ser feito antes da reforma tributária solidária, a qual nós defendemos”, afirmou. 


 


Lúcio também defendeu a revogação do benefício dos juros sobre capital próprio, da Emenda Constitucional 93/2016, que desvincula as receitas da União (DRU), e da Emenda Constitucional 95/2016, que congelou os gastos públicos por 20 anos. No caso das finanças estaduais, ele citou recente estudo desenvolvido pelo Ofice, da lei estadual 14.237/2008 (ICMS carga líquida), que propõe o ajuste da margem de lucro fiscal à contábil, conforme disposto em lei. “Com isso, o incremento da receita do ICMS para o Ceará teria sido de R$ 1,6 bilhões em 2016 e R$ 1,4 bilhões em 2017”, informou. “Ainda querem penalizar o servidor com uma reforma da previdência estadual, quando o governo tem meios de obter os recursos necessários para ajustar o seu orçamento da seguridade social”, finalizou.


 


Vencendo adversidades


 


No segundo momento do seminário, após o coffee break, a terapeuta holística e educadora empresarial, Magui Guimarães, aprofundou o tema de sua palestra com leveza e bom humor. Ela ressaltou a importância de cada pessoa tomar consciência de seu “lado sombra” e seu “lado luz”, buscando crescer a partir do seu interior.


 


Com formação em Programação Neurolinguística (PNL), a palestrante destacou as etapas do processo de treinamento. Primeiro, a busca do autoconhecimento; em seguida, o reconhecimento do que precisa ser desenvolvido, até chegar à auto realização. No decorrer da palestra, Magui apresentou diversos exemplos para o exercício da inteligência emocional, como a tecnologia P.R.E: pare, reflita qual é o melhor objetivo e escolha focar no objetivo. “Muitas pessoas gastam muito tempo focando no problema. O ideal é gastar apenas 20% da energia no problema e os 80% restantes na solução. Focar nos objetivos é priorizar a saúde”, destacou.