Bolsonaro: Se presidente da OAB quer saber como o pai desapareceu, eu conto

338

O comentário foi uma crítica a postura OAB no caso da investigação sobre Adélio Bispo, autor da facada em Bolsonaro durante a campanha à presidência da República

O presidente Bolsonaro disse nesta segunda-feira, (29/7), que “um dia” contará ao presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, como o pai do advogado desapareceu na ditadura militar. “Um dia se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, eu conto para ele. Ele não vai querer ouvir a verdade. Eu conto para ele.”

O comentário foi uma crítica a postura Ordem no caso da investigação sobre Adélio Bispo, autor da facada em Bolsonaro durante a campanha à presidência da República. O homem foi considerado inimputável, por isso ficará em um hospital psiquiátrico ao invés de um presídio.

Bolsonaro criticou a postura da entidade e perguntou qual seria a intenção da OAB. “Por que a OAB impediu que a Polícia Federal entrasse no telefone de um dos caríssimos advogados [do Adélio]? Qual a intenção da OAB? Quem é essa OAB?”, questionou o presidente.

Em seguida, fez o comentário sobre o pai de Santa Cruz. “Não é minha versão. É que a minha vivência me fez chegar nas conclusões naquele momento. O pai dele integrou a Ação Popular, o grupo mais sanguinário e violento da guerrilha lá de Pernambuco e veio desaparecer no Rio de Janeiro”, afirmou Bolsonaro.

Desaparecimento no período da Ditadura Militar

O advogado Fernando Santa Cruz, pai do presidente da OAB, militou no movimento estudantil e participou do grupo Juventude Universitária Católica (JUC), ligado à Igreja Católica, além de ter integrado a Ação Popular, organização contrária ao regime. Fernando desapareceu no Rio de Janeiro, em 1974. O desaparecimento nunca foi desvendado.