1º de Maio: Em defesa da dignidade do trabalhador

367



 




O Dia do Trabalhador teve origem há mais de 130 anos, com a luta por uma jornada de trabalho digna. Naquele tempo, foi preciso muita luta, greves, protestos e manifestações para que a classe trabalhadora arrancasse, aos poucos, os chamados direitos trabalhistas. 


 


O 1º de Maio continua necessário, pois o objetivo dos patrões é retirar cada vez mais direitos da classe trabalhadora, a fim de aumentar seus lucros. O principal exemplo disso foi a aprovação da reforma trabalhista, que suprimiu direitos conquistados com muita luta ao longo de décadas, prejudicando trabalhadores da iniciativa privada e servidores públicos.


 


Hoje, muitos trabalham várias horas a mais sem ganhar nada. São obrigados a estar sempre conectados ao celular ou ao computador, à disposição para resolver os problemas da empresa. As metas e o ritmo de trabalho aumentam a cada dia. O resultado não poderia ser outro: precarização do trabalho, elevados níveis de estresse e prejuízos à saúde.


 


A classe trabalhadora, espalhada pela imensidão desse País, não pode ficar apática diante do cenário atual. Só há dois caminhos: ou partimos para a luta, unidos e organizados através dos sindicatos e centrais sindicais, ou perderemos muitas das conquistas de séculos atrás. Apenas lutando firmes e unidos seremos capazes de barrar os projetos neoliberais que beneficiam apenas o capital financeiro especulativo. Somente com o crescimento da economia, que gera emprego e renda, é que poderemos avançar nas conquistas sociais dos trabalhadores.


 


O Sindicato dos Fazendários do Ceará (Sintaf), que representa todos os servidores da Secretaria da Fazenda Estadual, homenageia todos os trabalhadores pelo seu dia.


 


1º de Maio, Dia do Trabalhador.