OPINIÃO: XICO SÁ – Arquivo bom é arquivo morto

249

O miliciano Adriano da Nóbrega, o homem que sabia demais, deixa um rastro de crimes e Brasília em silêncio

– Perdeu, a gente sabe que você está aí! Joga a arma para fora –, deu a ordem um dos 75 policiais da caçada a um dos bandidos mais procurados do país.

De dentro da casa, em Esplanada (BA), a resposta veio em forma de bala, segundo os comandantes da caçada. A polícia então invadiu a residência e alvejou, com dois tiros de fuzil, o ex-policial carioca Adriano da Nóbrega, miliciano ligado ao senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente da República.

A versão oficial das polícias da Bahia e do Rio deixou uma série de perguntas e uma suspeita elementar, meu caro Watson, de queima de arquivo. Desaparecido havia um ano, o facínora leva para o túmulo a memória de um rastro de assassinatos, negociatas mafiosas com o Jogo do Bicho e até possíveis segredos da morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

O homem que sabia demais teria muito a explicar sobre o gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia fluminense. Era amigo íntimo de Fabrício Queiroz, o ex-assessor envolvido no episódio das “Rachadinhas”. Um roteiro, longe de ser fechado, que renderia um filme digno de Oscar.

Fonte: METROPOLES

Link: https://www.metropoles.com/colunas-blogs/xico-sa/arquivo-bom-e-arquivo-morto?fbclid=IwAR2LOba-umJtMwwHTN9HVDGaB_vkcAb2oW-D388waICcK5viGu40aHrRvTc

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here