“Virou moda chamar de comunista. Falar de democracia virou comunismo”

66

Thais Reis Oliveira

Entrevista com Dom Leonardo Steiner, novo arcebispo metropolitano de Manaus

Transferido à Amazônia após oito anos na cúpula da CNBB, Dom Leonardo Steiner promete não se omitir diante do governo

“Estamos tentando governar o País na base de notícias falsas, da agressividade, da violência. Isso não constrói um Brasil. (…).” A afirmação não foi ouvida em nenhum plenário ou palanque, mas do altar. Mais precisamente, na missa que consagrou Dom Leonardo Steiner, ex-secretário-geral da CNBB, o novo arcebispo de Manaus. Depois de oito anos ocupando o cargo de mais destaque da conferência, o catarinense promete manter neste novo capítulo o tom combativo que marcou sua trajetória até aqui.

Sua chegada é vista como um contraponto à apatia que tomou conta da CNBB desde as últimas eleições, em maio. Embora a temida guinada à direita não tenha se concretizado, a conferência tem moderado o tom crítico ao governo. Prevaleceu nos bastidores a tese de que uma reação aguda daria ao bolsonarismo um ‘inimigo ideal’.

De formação franciscana, Steiner é discípulo de Dom Pedro Casaldáliga, o ‘bispo do povo’. Também mantém proximidade de dom Claudio Hummes, o cardeal brasileiro que mais influencia o papa Francisco. Fora da cúpula da CNBB, pediu à Santa Sé transferência para a Amazônia — é o quarto franciscano que, desde o Sínodo, assumiu dioceses naquela região.

“Papa Francisco é a voz contrária aos novos “colonialismos” na Amazônia”

O bispo defende uma aproximação dos católicos com a política. “Nesse momento, precisamos de pessoas lúcidas“. Sobre a pecha de ‘comunista’ que muitas vezes recai sobre a CNBB, retruca: “A CNBB teve e tem um papel fundamental na sociedade brasileira, apesar do desejo de que ela se cale. A grande maioria não leu Marx.”

Em entrevista a CartaCapital, ele fala sobre o novo ofício e as similitudes entre política e religião.

CartaCapital: Há quem diga que a CNBB, o senhor e o próprio Papa são comunistas. Como reage a essas acusações?

Dom Leonardo Steiner: Dom Helder dizia: “Quando dou comida aos pobres, me chamam de santo. Quando pergunto porque eles são pobres, chamam-me de comunista.” Hoje virou moda agredir as pessoas com comunismo, chamar de comunista. Falar de democracia virou comunismo. Se fala tanto em ideologia e não se percebe que se fala a partir de uma ideologia. A ideologia que não consegue dialogar com outra torna-se devagar, uma espécie de ditadura do pensar e conviver.

Estive por oito anos a serviço da CNBB e encontrei muitas pessoas a serviço dos pobres, discutem democracia e justiça, solidariedade e fraternidade. A CNBB teve e tem um papel fundamental na sociedade brasileira, apesar do desejo de que ela se cale. A grande maioria não leu Marx. É melhor tentar viver o Evangelho, a vida de Jesus, que perder tempo com essas afirmações.

“Seguiremos as orientações do Evangelho e do Papa Francisco: abraçar a carne de Cristo, os que sofrem. Não podemos, como Igreja, nos omitir.”

CC:Em tempos de aumento da violência e do desmatamento, o que podemos esperar de sua direção?

DLS:O desmatamento já é fruto da disputa por terra. Além da madeira, temos agora de maneira aguda a disputa pelo subsolo, especialmente das áreas indígenas. Nós seguiremos as orientações do Evangelho e do Papa Francisco: abraçar a carne de Cristo. Isto é, os que sofrem. Sofrem os pobres, especialmente os povos originários. e sofre e geme a natureza. Não podemos, como Igreja, nos ausentar e nos omitir. Com a ajuda das nossas lideranças e das comunidades, vamos ajudar na edificação da Casa Comum na nossa Amazônia.

A CNBB teve e tem um papel fundamental na sociedade brasileira, apesar do desejo de que ela se cale.

CC: Teme que sua posição motive represálias por parte do governo?

DLS: O Executivo foi eleito para dirigir o país. Da parte da sociedade é necessária a crítica, as observações para que os pobres não sejam esquecidos. Por exemplo, não se vendem as estatais desfazendo-se dos bens do Estado.

As Estatais são fundamentalmente para a implementação de política públicas, que são dever do Estado. Elas não visam o lucro; visam o povo brasileiro. O que se propaga é que elas não dão lucro. Essa não é vocação a razão de existir das estatais.

A democracia pede que se escute. A represália vem quando não se suporta a escuta, pois não se suporta a diferença. Sempre fomos pelo diálogo.

‘Precisamos de pessoas lúcidas para o bem do país. Os bispos devem despertar os leigos para essa atuação”

 

VER ENTREVISTA COMPLETA AQUI: https://www.cartacapital.com.br/sociedade/virou-moda-chamar-de-comunista-falar-de-democracia-virou-comunismo/?fbclid=IwAR3ymyCaQAin-V27Qg547br1FnY6SrKGiv80hwnCfStujeN8htOL4ThoFtA

Fonte: CARTA CAPITAL

1 COMENTÁRIO

  1. Eu compartilho com o mesmo pensamento, a mesma reflexão, os mesmos ideais. É um governo que tenta governar e às vezes consegue administrar com mentiras, divulga falsos números e aí, muitos deputados e senadores vão na “onda” dominante; ajudam na ideologia, bolsonarista. Compartilho da visão sobre as estatais, estas servem para as políticas públicas, não visam ao lucro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here