Relator da reforma tributária quer que ricos paguem mais impostos

76
Líder da maioria na Câmara dos Deputados, Aguinaldo Ribeiro, defende sistema tributário simples, moderno, transparente e com maior justiça social

O líder da maioria na Câmara e relator da comissão mista da reforma tributária (PEC 45/2019), deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), defendeu nesta segunda-feira (15), durante a Live JR, que os mais ricos paguem mais impostos do que a camada mais pobre no Brasil.

Segundo o deputado, o regime tributário em vigor no Brasil é muito antigo e “gera muitas distorções”. Ele afirma que a reforma tributária deve ser voltada a um sistema simples, moderno, transparente e que garanta uma maior justiça tributária.

“Acho que vai ser necessário avançar em uma discussão mais progressiva, de atuar em impostos para taxar quem hoje é menos taxado, porque nosso sistema tributário é injusto e taxa mais os mais pobres”, disse Ribeiro, que está em seu terceito mandato na Câmara dos Deputados.

Leia mais: Se cobrado, IPVA para helicópteros e jatos renderia R$ 4,6 bi

O deputado recorda que discussão da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) precisou ser interrompida para que as Casas Legislativas priorizassem os textos a respeito da pandemia do novo coronavírus. No entanto, ele afirma que segue em contato com os parlamentares e com a sociedade civil.

De acordo com Ribeiro, a construção final da proposta na comissão mista, formada por 25 senadores e 25 deputados, só será possível após o retorno dos trabalhos no Congresso Nacional. “A construção de um texto como esse vai demandar a presença de todos os membros no parlamento” afirmou o relator da proposta aos jornalistas Celso Freitas, Eduardo Ribeiro e Renata Varandas.

Aproximação do Planalto
Questionado sobre a aproximação do governo do presidente Jair Bolsonaro com o Centrão, bloco do qual o PP faz parte, Ribeiro disse ver com bons olhos a relação que coloca a política como algo essencial para construir um Brasil melhor.

“É bom que o presidente volte ao ambiente político, porque houve uma criminalização muito grande da política. A negação da política é muito ruim”, afirmou o líder da maioria na Câmara.

Ribeiro garantiu desconhecer as motivações do Planalto ao se aproximar do Centrão. “Não tenho participado dessas discussões sobre cargos. Preferi continuar na agenda de interesse pelo País”, afirmou.

Fonte: Notícias R7

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here