Receita Federal investiga fraudes na restituição do Imposto de Renda

141
Fisco identificou irregularidades em cerca de 1.200 declarações, de um grupo de 550 contribuintes, enviadas de um mesmo computador. Deduções indevidas somam R$ 15 milhões.

A Secretaria da Receita Federal informou nesta segunda-feira (22) que investiga um esquema de fraudes na Restituição do Imposto de Renda (IRPF) das pessoas físicas relativas aos exercícios de 2015 a 2019.
De acordo com o órgão, as irregularidades foram identificadas em cerca de 1.200 declarações, de um grupo de aproximadamente 550 contribuintes, transmitidas de um mesmo computador.
O Fisco explicou que as deduções relacionadas à pensão alimentícia e inclusão de dependentes, e também de despesas médicas e de instrução referentes a eles, não estavam de acordo com o que prevê a legislação.

Segundo a Receita Federal, os contribuintes obtinham a redução do valor do imposto a pagar ou o aumento da restituição.

“Com base no que foi, até agora, apurado, a Receita Federal estima que somente as deduções referentes à pensão alimentícia incluídas indevidamente nas declarações transmitidas correspondem a um valor de R$ 15 milhões”, acrescentou.

O órgão também informou que alguns contribuintes já notificados pela fiscalização da Receita Federal esclareceram que as deduções indevidas foram inseridas em suas declarações por um profissional e sem a autorização deles.
Sanções previstas

A Receita Federal explicou que notificará todos os contribuintes suspeitos de se beneficiarem da fraude. No entanto, até o recebimento da notificação, é possível fazer a autorregularização da situação fiscal, mediante apresentação da declaração retificadora e do pagamento das diferenças devidas.

“Os contribuintes que não fizerem isso serão chamados a prestar esclarecimentos ao Fisco, podendo ser autuados pelos valores devidos, acrescidos de multas de até 150% sobre o valor do imposto apurado, além dos juros moratórios. Também poderão sofrer as sanções penais previstas para os crimes contra a ordem tributária”, informou.

Além disso, a investigação também vai apurar se os clientes estavam sendo ludibriados ou induzidos a erro pelo profissional de contabilidade contratado. “Nesse caso, esse profissional também poderá responder a um processo criminal e sofrer representação junto ao conselho de classe a que pertence”, acrescentou.

A Receita Federal alertou os contribuintes que desconfiem de pessoas que prometem facilidades para reduzir o valor de imposto a pagar ou o aumento do imposto a restituir e aproveita para lembrar que o prazo para envio das declarações do IRPF 2020 se encerra no dia 30 de junho.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here