Quem deseja continuar na equipe econômica de Camilo

116


| NOVA GESTÃO | Equilíbrio fiscal e atração de investimentos fizeram da área econômica a “joia da coroa” do Governo do Ceará nesses quatro anos


 


À medida que se aproxima o segundo mandato de Camilo Santana (PT), cresce a expectativa em torno dos 21 nomes que vão compor o novo secretariado do Governo do Ceará. Na área econômica, que nos últimos anos passou a ser a “joia da coroa” da atual gestão, principalmente por conta da manutenção do equilíbrio fiscal do Estado durante a crise e da atração de importantes investimentos, a curiosidade para saber se haverá mudança é maior. Vale a pena o técnico mexer em um time que está ganhando? Mesmo sendo convidados, os integrantes da equipe desejam continuar?


Entre os secretários Maia Júnior (Planejamento e Gestão), João Marcos Maia (Fazenda), César Ribeiro (Desenvolvimento Econômico) e Arialdo Pinho (Turismo), o sentimento de gratidão a Camilo pela confiança depositada neles é comum. Embora digam estar à disposição do governador, nem todos querem continuar, como é o caso de Maia Júnior (PSDB), no cargo desde o início de 2017.


“Meu desejo pessoal é ter um substituto que dê continuidade (aos projetos). Gostaria muito de ir para casa. Não só construí uma grande reestruturação da Seplag e do próprio Estado, como cumpri tudo aquilo que prometi quando assumi. Há muito o que fazer, um desafio enorme daqui para frente, que é implantar o novo desenho de gestão no Estado. Mas tenho propostas muito importantes de retomada na minha vida privada, tanto nas minhas empresas como em consultorias”, diz.


João Marcos Maia, que novamente assumiu a Sefaz após Mauro Filho (PDT), eleito deputado federal, se afastar do cargo neste ano para ser coordenador econômico da campanha presidencial de Ciro Gomes (PDT), está disposto a ajudar o governador onde for necessário. “Independentemente da pasta X, Y ou Z, sou um homem de missão. Como auditor-fiscal de carreira, busco continuar minha vida profissional de dedicação ao povo cearense e ao Governo”, destaca.


No comando do Desenvolvimento Econômico desde o começo de 2017, César Ribeiro afirma que ficaria muito satisfeito se fosse convidado a permanecer na pasta. Mesmo que não fique no cargo, se diz feliz com os resultados alcançados pela secretaria durante o período, algo que, na opinião dele, é fruto de um trabalho em equipe com foco na transversalidade.


 “Temos, no Ceará, um cenário bem mais favorável a investimentos. Teria o maior prazer em continuar nesse projeto da SDE, pelo Camilo. No momento, estou no Estado, mas sou da iniciativa privada”, observa.


Arialdo Pinho também comemora os objetivos atingidos pela Setur ao longo de quatro anos, notadamente na área da aviação. Mesmo com experiência no setor público, tendo sido secretário da Casa Civil no governo Cid Gomes (PDT), tem DNA na iniciativa privada.


“Estou à disposição do governador. Não sei se ele vai me convidar. Mas me dediquei para deixar o turismo do Ceará num melhor patamar. Não conseguimos fazer tudo o que gostaríamos, porém, cumprimos metas bem ousadas. E temos muitos projetos engatilhados para a próxima gestão”, informa.