Pix: Confira 6 cuidados para evitar erros e golpes na hora de usar

231

Por ser diferente dos métodos tradicionais de pagamento e transferência, alguns problemas podem acontecer durante o uso

 

 

Cadastramento

Uma mesma chave não pode ser utilizada em bancos diferentes. Portanto, certifique-se de cadastrar tipos diferentes de chaves ou faça a portabilidade para o banco que deseja passar a usar.

Confira os dados

Ao realizar uma transferência, confirme se a chave e os dados do destinatário estão corretos. Com o Pix, a transferência ocorre de forma instatânea e irreversível.

Taxas

Para evitar cobranças indevidas, é preciso também ficar atento a qualquer tipo de taxa que apareça ao fim da transação. O Pix deve ser oferecido de forma gratuita para pessoas físicas com limite de 30 transações por mês idependente da instituição bancária.

Privacidade

Outro ponto a se ficar atento é disponibilizar chaves do Pix com dados pessoais – como CPF, email e telefone – a pessoas desconhecidas. A ferramenta permite cadastrar chaves com códigos aleatórios, opção mais indicada caso precise fornecer chaves para estranhos.

Confiança

Uma das facilidades do Pix é a possibilidade de realizar pagamentos com a leitura de QR Code. No entanto, antes de efetuar a leitura, é importante se certificar que a pessoa ou estabelecimento são confiáveis. Lembre de sempre usar o aplicativo do seu banco e fique alerta em caso de outros links e download de arquivos.

Proteção

Outras medidas de proteção ao Pix são válidas para aplicados de bancos em geral, como sempre deixar o aparelho protegido por senhas que não seja fáceis de descobrir e/ou biometria e leitura de íris, se possível.

Diário do Nordeste

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here