OPINIÃO | Três Coisas Que Você Precisa Saber Sobre A Reforma Administrativa

99

Segundo o Governo Federal, a proposta tem o objetivo de melhorar a prestação dos serviços públicos e trazer um alívio para o orçamento público. É neste ponto que gostaria da sua atenção.

Somando as esferas municipais, estaduais e federal, mais de 10 milhões de brasileiros trabalham direta ou indiretamente no serviço público e, diferente do que há anos tenta-se difundir no país, a maioria esmagadora desses profissionais não recebe salários astronômicos. Ao contrário, muitas vezes, enfrenta precariedade e falta de condições de trabalho.

Qual é o problema da Reforma Administrativa?

Na própria justificativa da necessidade da Reforma Administrativa, o ministro da economia, Paulo Guedes, reforça a vilanização dos servidores públicos quando afirma que:

“Apesar de contar com uma força de trabalho profissional e altamente qualificada, a percepção do cidadão, corroborada por indicadores diversos, é a de que o Estado custa muito, mas entrega pouco.”

Esse apontamento coloca no mesmo “balaio” 10 milhões de servidores públicos de todo o país, questionando os fins e ignorando os meios.

Não é diminuindo o papel do servidor público perante a sociedade que as coisas serão melhores, afinal, é o serviço público como conhecemos, que garante a continuidade do Estado independente de quem esteja no poder.

Este é um ponto, de vários, que faz com que a Reforma Administrativa apresentada pelo governo não seja a melhor para o país e para os servidores públicos.

3 coisas sobre a Reforma Administrativa que você precisa saber

Além de tudo o que falei até agora, trouxe mais alguns argumentos que embasam o meu posicionamento contrário à PEC 32 da forma como está.

1. Mudança na progressão funcional baseada e tempo de trabalho

Acredito que o tempo é um fator essencial no aprimoramento dos profissionais de todas as esferas e, a progressão funcional com base nele, nada mais é do que a valorização daqueles que dedicam suas vidas ao serviço público e um estímulo para o ingresso nessas carreiras.

2. Fim da estabilidade funcional

A estabilidade, ao contrário do que a PEC 32 quer reforçar, é um elemento primordial para o bom funcionamento do serviço público. Sem ela, não há garantias de que profissionais que realizem atividades de fiscalização e denúncias, por exemplo, não sejam demitidos por questões políticas, a famosa politização da administração pública.

No texto apresentado também não estão claros os critérios de desligamento, o que, novamente, é um risco para o bom funcionamento do serviço público.

3. Redução de salários e extinção de gratificações

Com a redução dos salários e fim da estabilidade, boa parte dos servidores irá migrar para a iniciativa privada e isso pode ocasionar piora no serviço. Explico.

Quando os servidores começarem a deixar as repartições, serão necessárias novas contratações, que automaticamente resultarão na necessidade de treinamentos e períodos de adaptação às tarefas por parte dos profissionais. Isso custa tempo, dinheiro e vai impactar diretamente a vida de todos.

Com as poucas garantias propostas pela PEC 32, esse processo tende a acontecer várias vezes e perpetuar essa lógica que vai na contramão da economia buscada pelo governo.

Pontuei aqui apenas algumas questões que precisamos debater antes de aceitarmos a Reforma Administrativa da maneira com que foi apresentada inicialmente.

É inegável que ajustes precisam ser realizados e que nenhum sistema é tão perfeito que não possa ser aprimorado, mas é preciso debater o problema como um todo, não escolher um segmento para levar a culpa. 

Vamos continuar propondo o debate, ouvindo as partes e principalmente, dando atenção especial aos pontos da proposta que não corroboram com a valorização do serviço público. Não é possível que os trabalhadores sejam penalizados.

Emanuel Pinheiro Neto é Deputado Federal por Mato Grosso

Fonte: Olhar Direto

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here