Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras


Saiu na Imprensa

  11/07/2019   

NE quer fundo de desenvolvimento para apoiar reforma tributária

Os secretários da Fazenda dos estados nordestinos não deverão apoiar a proposta de reforma tributária levada à Câmara dos Deputados pelo relator do projeto, o deputado Baleia Rossi (MDB-SP). De acordo com Fernanda Pacobahyba, titular da Secretaria da Fazenda do Ceará, o objetivo do posicionamento é garantir a criação de um fundo de apoio ao desenvolvimento regional e nacional e, assim, obter a isonomia de condições para evolução da atividade econômica de cada unidade da Federação.

Uma das razões pela resistência à proposta é que o modelo extingue tributos importantes para os programas de benefícios fiscais dos estados, como o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). No lugar do ICMS, e vários outros impostos, seria instalado o Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS). Na lista de substituição, ainda estariam três tributos federais (IPI, PIS e Cofins) e um municipal, que é o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS).

Fernanda Pacobahyba afirmou que os secretários da Fazenda de vários estados assinaram uma carta, enviada ao Governo Federal, recomendando a inclusão desse fundo de desenvolvimento. "A carta dos secretários toca no ICMS porque o novo modelo não tem benefícios fiscais. Não admitimos uma reforma sem modelo de incentivos. Precisamos avançar na reforma tributária, mas também queremos que seja criado um fundo de desenvolvimento regional e nacional", ponderou Pacobahyba.

Adaptação

A secretária da Fazenda do Ceará ressaltou ainda que o Estado não é contra a reforma tributária e que já enxerga que os modelos de transição não afetariam tanto os benefícios fiscais concedidos atualmente. Ao longo dos 30 anos usados para fazer o desvio gradual de concentração das alíquotas para o IBS, o Estado renegociaria as condições de suporte aos setores afetados.

O Ceará ainda deverá organizar uma reunião com as 15 maiores prefeituras locais, nos próximos 15 dias, para avaliar qual deverá ser o impacto da reforma tributária para os municípios cearenses. Outro ponto importante da reforma a ser analisado é a garantia de alíquotas diferentes para itens de primeira necessidade, algo já implantado pelo Governo cearense, mas que não estaria contemplado pela reforma. Segundo Pacobahyba, o Estado não abre mão dessa condição, que viria para dar suporte à população mais pobre.

Última atualização: 11/07/2019 às 10:57:41
 
Nota da Assessoria: O Sintaf não se responsabiliza pelo conteúdo e/ou opiniões emitidas nas notícias reproduzidas nesta área. As notícias aqui disponibilizadas são reprodução de temas de interesse veiculados na mídia.
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente

Comentários

Seja o primeiro a comentar. Basta clicar no botão acima.

Rua Agapito dos Santos, 300 - Centro
Fortaleza/Ce | CEP 60010250

www.igenio.com.br