Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras


Saiu na Imprensa

  10/06/2019   
TRIBUTAçãO

Saiba o que é feito do dinheiro arrecadado com impostos no Ceará

Por Bruno Cabral

Mesmo diante de um cenário de menor atividade econômica, o Ceará vem mantendo o equilíbrio das contas públicas, honrando a folha de pagamentos em dia e mantendo a agenda de investimentos, a partir de um trabalho de rigor do fisco que resulta em uma arrecadação crescente ano a ano. No entanto, na última semana, o Governo estadual anunciou uma medida de cortes, cuja justificativa para ser efetuada é a manutenção da saúde fiscal. Mas em que é aplicado o dinheiro conquistado com todo esse rigor fiscal?

No primeiro quadrimestre deste ano, o Governo do Estado arrecadou R$ 5,436 bilhões em impostos e taxas. Deste total, 87,7% correspondem a apenas dois tributos: o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que responde por 75,9% da arrecadação, e o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), que responde por 11,8% da arrecadação tributária.

No acumulado dos últimos 12 meses, a arrecadação do Estado soma R$ 15,281 bilhões. O desempenho do Ceará reflete também nos municípios, já que a grande maioria depende de repasses estaduais. Do total arrecadado com esses dois impostos, a Constituição Federal determina que 25% do ICMS seja repartido entre os municípios e 50% do IPVA seja creditado na conta da cidade onde cada veículo foi licenciado.

Da parcela do ICMS repassada aos municípios, 75% são distribuídos de acordo com a produção de cada um deles, na proporção de sua participação na arrecadação. Dos outros 25% restantes, 18% vão para Educação, 5% para a Saúde e 2% para ações voltadas para o Meio Ambiente.

Sobrevivência

“Basicamente, o Estado sobrevive com dois tipos de receitas: as receitas próprias e as transferências da União. E da receita própria é o ICMS, IPVA e ITCD (Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos)”, afirma e secretária da Fazenda do Estado do Ceará, Fernanda Pacobahyba.

Além de ICMS e IPVA, o Executivo cearense arrecadou, no primeiro quadrimestre, R$ 362,7 milhões de Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF), R$ 32,5 milhões de ITCD e R$ 268,9 milhões de “outros impostos, taxas e contribuições de melhorias”.

No entanto, conforme foi publicado pelo Diário do Nordeste na última semana, os repasses do Governo Federal para o Ceará, por meio de convênios, sofreram uma redução significativa nos últimos quatro anos, quando caíram 71% de janeiro a abril deste ano, na comparação com o primeiro quadrimestre de 2015, sendo as áreas de Educação e Saúde as mais afetadas.

Despesas

Com relação às despesas do próprio Estado, o item que consome mais recursos é o de “encargos especiais”, que consiste nos custos com o serviço da dívida (pagamento de juros e refinanciamento) e transferências. De janeiro a abril, foi destinado R$ 1,76 bilhão para “encargos sociais”, o equivalente a 24,5% das despesas liquidadas pelo Governo nos quatro primeiros meses deste ano.

Os números são revelados pela Secretaria da Fazenda, que faz o acompanhamento mês a mês da arrecadação. Em seguida, vem as despesas com “previdência social” (aposentadorias e pensões), para a qual o Estado direcionou R$ 1,07 bilhão, o equivalente a 14,9% do valor liquidado no primeiro quadrimestre. Com uma folha de pagamento com cerca de 140 mil servidores, sendo 60 mil na ativa e 80 mil inativos e pensionistas, a “previdência social” tem sido, nos últimos anos, um dos entraves para o equilíbrio fiscal do Estado. No ano passado, o déficit previdenciário ficou em torno de R$ 1,7 bilhão.

Já as áreas mais sensíveis para a população, “Saúde”, “Segurança Pública” e “Educação” figuram na terceira, quarta e quinta posição entre as principais despesas do Executivo cearense, respectivamente. Nos primeiros quatro meses do ano, a “Saúde” recebeu R$ 811,9 milhões, 11,2% das despesas; a “Segurança Pública”, R$ 787,5 milhões (10,9%); e a “Educação”, R$ 748,6 milhões (10,3%).

Em seguida aparecem as despesas com a o “Judiciário” (R$ 344,6 milhões), e “Administração” (R$230,5 milhões). Como a arrecadação dos impostos não pode ser vinculada a determinadas áreas ou serviços, exceto Educação, Saúde, e Administração Tributária, cabe ao Executivo a destinação das verbas.

Repasses

Segundo dados da Secretaria da Fazenda, de janeiro a abril, dos R$ 9,567 bilhões das receitas correntes (que além dos R$ 5,4 arrecadados de impostos abrange R$ 4,1 bilhões de outras receitas, como contribuições e transferências), o Estado repassou para os municípios R$ 1,3 bilhão em transferências constitucionais e legais e destinou R$ 1,1 bilhão para o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

Embora os percentuais dos repasses sejam previamente definidos pela Constituição, um levantamento realizado pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece) no ano passado, apontou que apenas três, dos 184 municípios cearenses, todos eles situados na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), são responsáveis por 82,05% do total de ICMS arrecadado no Estado. Enquanto os outros 181 municípios dividem a fatia de 17,95% da receita do tributo.

Dependência

Segundo o economista Irineu Carvalho, consultor da Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece), como a grande maioria dos municípios tem forte dependência dos repasses constitucionais, as dificuldades econômicas enfrentadas pela União e pelos estados reflete diretamente nos orçamentos das prefeituras, principalmente aquelas de municípios com menor atividade econômica.

“Invariavelmente, a receita vai depender do crescimento econômico e, no Ceará, você vai ter dois ou três municípios que têm um ISS (Imposto Sobre Serviços) mais robusto, e que dependem menos dos repasses”, diz Irineu Carvalho. “O IPTU, embora não tenha uma relação direta com a atividade econômica, ele só é relevante em regiões urbanas mais desenvolvidas, o que faz com que no máximo 10% dos municípios cearenses tenham uma condição melhor, de menor dependência”.

Participação

Para a titular da Secretaria da Fazenda, apesar dos avanços quanto à responsabilidade fiscal do Estado, que deixa o Ceará entre as unidades da federação que não atrasam folha de pagamento, ainda há uma percepção ruim do Fisco, de que prejudicaria a atividade econômica local. Porém, a secretária acredita que a melhoria de índices como o da educação pode ajudar a melhorar essa imagem.

 “A sociedade brasileira ainda é muito paternalista, mas de um tempo para cá, a gente tem visto um movimento de maior participação das pessoas, com as pessoas mais ativas e enaltecendo a responsabilidade fiscal. E quanto melhor for a arrecadação tributária, melhor para os negócios”, diz Pacobahyba.

 “Aqui no Ceará, a gente não pode reclamar de retorno. Os índices mostram isso. No Ceará, não dá para dizer que não se sabe para onde o dinheiro está indo. Há metas alcançadas que são nítidas”, defende.

 

Marcadores: Tributos repasse Ceará SEFAZ
Fonte: Diário do Nordeste
Link: https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/editorias/negocios/saiba-o-que-e-feito-do-dinheiro-arrecadado-com-impostos-no-ceara-1.2109062
Última atualização: 10/06/2019 às 09:58:50
 
Nota da Assessoria: O Sintaf não se responsabiliza pelo conteúdo e/ou opiniões emitidas nas notícias reproduzidas nesta área. As notícias aqui disponibilizadas são reprodução de temas de interesse veiculados na mídia.
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente

Comentários

Seja o primeiro a comentar. Basta clicar no botão acima.

Rua Agapito dos Santos, 300 - Centro
Fortaleza/Ce | CEP 60010250

www.igenio.com.br