Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras


Saiu na Imprensa

  15/04/2019   
ECONOMIA

Intervenção de Bolsonaro na Petrobras desestabiliza mercado

Especialistas do mercado financeiro e do setor de combustíveis se mostraram preocupados de que a ação se torne constante. Caso contrário, grupos setoristas ficam mais tranquilos com o congelamento do preço do diesel

A interferência do presidente Jair Bolsonaro para suspender o aumento de 5,7% no preço do diesel, anunciado pela Petrobras, tem gerado instabilidade no mercado. A estatal perdeu R$ 32,4 bilhões em valor de mercado com a queda de 8,54% das ações na Bolsa. Para especialistas do setor energético e do mercado financeiro, a preocupação é que medida se torne frequente.

De acordo com o sócio da V8 Capital, gestora de recursos, a reação na Bolsa de Valores pode ser vista de forma generalizada nas ações das estatais brasileiras. "Isso tem a ver com a questão da própria governança corporativa da Petrobras. Um Governo que se entrega como liberal não pode tomar medidas populistas", diz Filipe Albuquerque.

Segundo ele, não há impacto econômico imediato com o congelamento do valor do diesel por mais dias. No entanto, a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom) estima que a Petrobras terá um prejuízo de cerca de R$ 14 milhões por dia, levando em consideração o volume médio de vendas do combustível em 2018. O reajuste, de 5,7%, elevaria o preço do combustível dos atuais R$ 2,1432 para R$ 2,2662.

O consultor na área de petróleo e gás, Bruno Iughetti, explica que o aumento revogado leva em consideração a variação do preço do barril de petróleo no mercado internacional e a variação cambial. "O Governo Federal, preocupado com uma possível retaliação de nova greve dos caminhoneiros, resolveu intervir nesse aumento suspendendo por tempo indeterminado. Mas o que mais preocupa é que essa segunda paralisação é apenas uma suposição e já estamos vendo interferências governamentais", pontua.

Segundo Iughetti, chegará um momento que não será mais possível segurar o preço e o repasse será maior. "O momento é para reavaliar a carga tributária que incide sobre os combustíveis, que chega a 45% da composição. A alternativa é rever as alíquotas do PIS (Programa de Integração Social), Cide (Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico) e Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social)", propõe.

Contrapartida

No sentido contrário, o setor supermercadista se tranquiliza com o congelamento. "Assim, a gente tem uma garantia de que não vai ter reajuste no frete. Seria bom se conseguissem manter nesse patamar", afirma o vice-presidente da Associação Cearense de Supermercados (Acesu), Nidovando Pinheiro. Ainda assim, ele admite ficar preocupado com uma nova paralisação.

Repercussão

Questionado sobre o assunto, Bolsonaro disse que não é intervencionista. "Não sou economista, já falei que não entendia de economia, quem entendia afundou o Brasil, tá certo? Estou preocupado também com o transporte de cargas no Brasil". O ministro da Economia, Paulo Guedes, sugeriu que não foi informado sobre a decisão.

 

Marcadores: Economia Governo Bolsonaro
Fonte: Diário do Nordeste
Link: https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/editorias/negocios/intervencao-de-bolsonaro-na-petrobras-desestabiliza-mercado-1.2087138
Última atualização: 15/04/2019 às 09:34:13
 
Nota da Assessoria: O Sintaf não se responsabiliza pelo conteúdo e/ou opiniões emitidas nas notícias reproduzidas nesta área. As notícias aqui disponibilizadas são reprodução de temas de interesse veiculados na mídia.
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente

Comentários

Seja o primeiro a comentar. Basta clicar no botão acima.

Rua Agapito dos Santos, 300 - Centro
Fortaleza/Ce | CEP 60010250

www.igenio.com.br