Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras


Saiu na Imprensa

  06/12/2018   
ECONOMIA

Crescimento do Nordeste será comprometido com fusão do BNB, BNDES e Basa

A diferença de público-alvo e programas de financiamento entre o Banco do Nordeste (BNB), Banco da Amazônia (Basa) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) é um dos entraves para a não consolidação da possível fusão entre as instituições. Segundo uma fonte do BNB, que falou sob anonimato, o desenvolvimento do Nordeste estaria prejudicado com a medida estudada pela equipe econômica do presidente eleito Jair Bolsonaro.

"O BNDES é um banco de segunda linha. A operação que ele tem com os clientes é muito pequena. Normalmente, ele repassa para um banco que faz a operação assumindo o risco. No BNB é diferente. A gente opera como um banco de primeira linha com operação direta com o cliente".

Outro ponto citado pela fonte do BNB diz respeito ao desenvolvimento regional. "O BNB tem um foco geográfico bem definido que é o Nordeste, e o BNDES tem uma atuação nacional. Há um risco de, em uma fusão, esse objetivo ser perdido. Uma vez que o BNDES tem essa perspectiva de atuação nacional, ele não faz esse recorte por regiões com priorização de investimento, e isso poderia ser um prejuízo para a redução das desigualdades regionais".

Para o professor em Desenvolvimento Econômico do Departamento de Teoria Econômica-DTE da Universidade Federal do Ceará (UFC), Jair do Amaral, a realização dessa ideia é complexa e cheia de riscos. "A fusão é complexa porque ambos os bancos tem naturezas, funções e culturas diferentes. Os aspectos comuns são que ambos são federais e voltados para o desenvolvimento econômico. Contudo, o BNB, além de comercial, é voltado para o desenvolvimento regional. O BNDES, que não tem atividades comerciais, é voltado para o desenvolvimento das empresas e dos setores. Caso seja concretizada, essa fusão poderá trazer a vantagem de elevar os padrões de qualidade dos procedimentos dentro da estrutura do BNB".

Desvantagens

De acordo com ele, a concretização também poderá trazer desvantagens para o BNB e o Nordeste ao afetar o montante do Fundo Constitucional (FNE) e o sistema Pronaf voltado para a pequena produção familiar. "De toda maneira, caso a fusão avance ela terá de levar em conta que as dinâmicas dos mercados e das economias regionais, no Brasil, são heterogêneos, logo, levar em conta que os mecanismos de equalização regional no Brasil ainda são importantes e necessários", acrescenta o professor.

A fonte do BNB também afirma que atualmente o orçamento do Banco tem duas áreas de atuação, com foco no microcrédito que o BNDES não possui. "Além de afetar a questão desse recorte regional você tem esse risco também de uma linha importante ser anulada. Hoje, os principais recursos do Banco são o FNE e o microcrédito. O FNE é assegurado pela Constituição, e o recurso do microcrédito é um recurso de mercado, de tesouraria do Banco, então, eu não vejo essa perspectiva de redução do volume de recursos à disposição no BNB".

Para a fonte, o presidente eleito precisar dar atenção para a política de desenvolvimento regional. "Se ele (Bolsonaro) quer ter o Brasil rico, ele precisa desenvolver o Nordeste, mas a iniciativa dessa natureza eu vejo como uma coisa perigosa e um grande risco para esses objetivos que se esperam para o desenvolvimento do País", observa.

Setores rechaçam

A notícia da fusão não foi bem recebida por alguns setores da economia cearense. Para Freitas Cordeiro, presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Ceará (FCDL-CE), a ideia é prejudicial para o Estado e não traz benefícios.

"Se isso se concretizar, nós vamos perder um banco que faz toda a diferença para a nossa economia. Os recursos que vêm para a gente são diferenciados. A hora que a gente entrar numa só linha a gente fica distante na efetividade da entrega. Nós (Ceará) somos pequenos, precisamos de diferencial", afirma o presidente da FCDL.

"A verdade é que eles (novo governo) estão tirando da gente um banco de fomento, um banco de desenvolvimento, o único que nós temos. Um banco que tem alcançado resultados promissores, que não é deficitário. Esse crédito, após a fusão, vai ficar diluído em três instituições. Essa fusão é uma penalidade para a Região. As lideranças teriam de se unir no sentido de barrar essa pretensão", sugere.

Para Flávio Saboya, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará (Faec), a ideia é prejudicial para o FNE. "Mais cedo ou mais tarde seremos todos absorvidos pelo grande Centro-Sul, que já dispõe da força dos negócios e recursos", lamenta.

Dalvani Mota, presidente da Federação das Micro e Pequenas Empresas do Estado do Ceará (Femicro), acredita que a fusão vai ter um impacto direto nas micro e pequenas empresas. "O BNDES tem uma distância muito grande entre as instituições financeiras e as micro e pequenas empresas. O recurso vai ficar muito mais voltado para as grandes empresas porque o BNB não atua só na questão do empreendedor urbano, mas também o rural. O impacto vai ser aumentar a questão das desigualdades regionais e a mudança de tratamento entre os clientes do Banco".

Público-alvo seria principal dificuldade técnica para a fusão do BNB com o BNDES e o Basa. Mas políticas de fomento ao progresso da Região seriam castigadas, segundo avaliam empresários e especialista

Articulações seguem em Brasília por sucessão

Em movimentações políticas, vários representantes do Banco do Nordeste (BNB) estiveram em Brasília para negociar com o futuro governo federal a escolha do novo presidente do BNB. Max Bezerra, diretor de Ativos de Terceiros do BNB, e Romildo Rolim, atual presidente, estiveram na Capital Federal para tentar um encontro com Paulo Guedes, futuro ministro da economia. Nicola Miccione, diretor de controle e risco, um dos cotados para assumir o banco, e Cláudio Freire, diretor de Administração do banco, também estiveram em Brasília.

 

Marcadores: bnb fusão
Fonte: Diário do Nordeste
Link: http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/editorias/negocios/crescimento-do-nordeste-sera-comprometido-com-fusao-do-bnb-bndes-e-basa-1.2034364
Última atualização: 06/12/2018 às 10:23:08
 
Nota da Assessoria: O Sintaf não se responsabiliza pelo conteúdo e/ou opiniões emitidas nas notícias reproduzidas nesta área. As notícias aqui disponibilizadas são reprodução de temas de interesse veiculados na mídia.
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente

Comentários

Seja o primeiro a comentar. Basta clicar no botão acima.

Rua Agapito dos Santos, 300 - Centro
Fortaleza/Ce | CEP 60010250

www.igenio.com.br