Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras


Saiu na Imprensa

  11/10/2018   
CIDADANIA

Crianças abandonam escolas por conta do trabalho

Um estudo feito em 59 municípios cearenses apontou que 80% dos 153 mil entrevistados estudam e trabalham. A taxa de evasão escolar nestes casos é três vezes maior em relação aos que só estudam
 
 Aos oito anos, já trabalhava em barracas de praia servindo aos clientes que aproveitavam o momento de lazer. Hoje, aos 16 anos, não exerce o ofício de antes, e conta orgulhoso a oportunidade que lhe foi concedida pela Rede Peteca, instituição que visa promover os direitos de crianças e adolescentes; e a erradicação do trabalho infantil, com projetos referentes ao tema.
 
Um levantamento realizado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) em 59 municípios cearenses apontou o setor agrícola e o trabalho doméstico como recordistas no que diz respeito à exploração infantojuvenil. O estudo revelou que 9.345 dos 153 mil entrevistados exercem, ilegalmente, uma atividade econômica no contraturno escolar.
 
O diagnóstico esclareceu ainda que 20,48% dos casos foram identificados no setor agrícola, seguido dos outros 18% que são as crianças ou adolescentes que trabalham como babás, cuidadores de idosos ou empregadas domésticas. O comércio representa 14%. Entre os que foram perguntados, 12% estão no setor de serviços, como oficinas mecânicas, bares, restaurantes e borracharias. A criação de animais, principalmente, a pecuária, ocupa o quinto lugar.
 
A pesquisa foi baseada nos relatos de estudantes do Ensino Fundamental I e II, em 871 escolas da rede pública que participam do Programa Nacional contra a Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente (Peteca). Os dados devem nortear estratégias de prevenção e combate à exploração da mão de obra deles.
 
Evasão escolar
 
De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os locais do levantamento foram escolhidos porque mais de 80% das crianças e adolescentes que trabalham vão às aulas. No entanto, a evasão escolar é três vezes maior, quando comparadas com as que só estudam.
 
O procurador do MPT, Antônio de Oliveira Lima, ressalta que a escola é uma grande aliada para evitar a situação. "Quando falamos com o educador, estamos nos referindo a um profissional que lida cinco dias na semana e 200 dias letivos a cada ano, com as crianças e adolescentes que trabalham", declara, acrescentando a importância do trabalho de sensibilização e conscientização para que a situação atual seja modificada.
 
"Criança não pode trabalhar em circunstância alguma. Aos adolescentes, é permitido atividades de aprendizagem, sempre vinculadas a algum tipo de formação, desde que esteja matriculado no colégio", diz o chefe de escritório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) em Fortaleza, Rui Aguiar.
 
O intuito da instituição é zerar o trabalho infantil até 2022, quando o Brasil completa 200 anos de Independência. "Temos notado que este fato vem crescendo nas áreas urbanas. Se tivéssemos mais vagas de aprendizagem nas empresas, aumentaríamos a erradicação dos casos".
Marcadores: trabalho infantil
Fonte: Diário do Nordeste
Link: http://www.diariodonordeste.verdesmares.com.br/editorias/metro/criancas-abandonam-escolas-por-conta-do-trabalho-1.2012061
Última atualização: 11/10/2018 às 10:18:59
 
Nota da Assessoria: O Sintaf não se responsabiliza pelo conteúdo e/ou opiniões emitidas nas notícias reproduzidas nesta área. As notícias aqui disponibilizadas são reprodução de temas de interesse veiculados na mídia.
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente

Comentários

Seja o primeiro a comentar. Basta clicar no botão acima.

Rua Agapito dos Santos, 300 - Centro
Fortaleza/Ce | CEP 60010250

www.igenio.com.br