Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras


Saiu na Imprensa

  07/08/2018   

Medida de Temer pode afetar produção de alimentos e aumentar o desemprego

Contag e Contraf-Brasil estão mobilizadas para que MP 842 seja rejeitada pelo Congresso Nacional nos próximos dias. Pressão dos trabalhadores nos parlamentares se intensifica com o fim do recesso
 
A volta do recesso parlamentar será nesta terça-feira (7), mas a luta e a pressão da classe trabalhadora sobre deputados e senadores para evitar mais retrocessos não parou e nem vai parar.
 
Desde o último dia 25 de junho, quando o governo ilegítimo de Michel Temer apresentou uma Medida Provisória (MP 842/2018), alterando a Lei N° 13.340, de 28 de setembro de 2016, e a Lei N° 13.606, de 9 de janeiro de 2018, que impacta diretamente o emprego e a produção de alimentos, os trabalhadores e as trabalhadoras da agricultura familiar estão fazendo pressão no Congresso Nacional e nas bases eleitorais dos parlamentares para que a MP seja votada e rejeitada nos primeiros dias da volta do recesso. A partir desta terça, a pressão será dentro do Congresso Nacional, com visitas aos gabinetes e pressão direta em deputados e senadores.
 
A Medida Provisória anula a renegociação de dívidas rurais nos financiamentos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), do Programa de Cooperação Nipo-Brasileira para o Desenvolvimento dos Cerrados (Prodecer) e do Programa Especial de Crédito para a Reforma Agrária (Procera). A MP também revoga o desconto, de até 95%, para liquidação de débitos de produtores rurais com linhas de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
 
“Com a MP em vigor, nenhum agricultor familiar pode renegociar dívidas ou mesmo aderir a um novo financiamento porque os inadimplentes não podem ter acesso ao programa. Além disso, pode levar a um problema sério de abastecimento interno”, afirmou a vice-presidenta da CUT, Carmen Foro, lembrando que a agricultura familiar produz mais de 70% dos alimentos que chegam às mesas dos brasileiros.
 
Sobre a inadimplência, Carmen explica que os camponeses são os que mais sofrem com as mudanças climáticas - em algumas regiões é a seca, em outras  são as chuvas – que trazem instabilidade para a produção e consequentemente para a renda da agricultura familiar.
 
Link: https://www.cut.org.br/noticias/medida-de-temer-pode-afetar-producao-de-alimentos-e-aumentar-o-desemprego-e568
Última atualização: 07/08/2018 às 09:51:00
 
Nota da Assessoria: O Sintaf não se responsabiliza pelo conteúdo e/ou opiniões emitidas nas notícias reproduzidas nesta área. As notícias aqui disponibilizadas são reprodução de temas de interesse veiculados na mídia.
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente

Comentários

Seja o primeiro a comentar. Basta clicar no botão acima.

Rua Agapito dos Santos, 300 - Centro
Fortaleza/Ce | CEP 60010250

www.igenio.com.br