Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras


Saiu na Imprensa

  01/08/2018   

Desemprego é mais duro para cargos de chefia

Empresas voltam a contratar na base da pirâmide, mas ainda cortam vagas de diretores e gerentes
 
Apesar das quase 400 mil vagas com carteira assinada criadas em 2018, segundo dados brutos do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), há categorias que ainda são alvo de cortes significativos. O destaque são os cargos de chefia.
 
Diretores, gerentes e supervisores - a linha de frente na cadeia de comando - continuam sendo demitidos mesmo após superado o período econômico mais crítico.
 
No primeiro semestre deste ano, foram fechados quase 80 mil postos de chefia, após 90 mil vagas eliminadas em igual período do ano passado.
 
Segundo especialistas, em um cenário de retomada muito gradual da economia, em que o faturamento das
companhias ainda não se recuperou, empregadores buscam enxugar os custos se valendo de algumas estratégias.
 
Há empresas que optaram por ampliar as obrigações de quem já está em cargo de chefia, fazendo com que passe a coordenar a gerência de múltiplas áreas.
 
Outras colocaram mais empregados sob o comando de um mesmo gestor.
 
Ainda há aquelas que delegaram tarefas de gerência a empregados que, antes, ocupavam posições subalternas.
 
A reengenharia que busca cortar custo, porém, tem seus riscos. Renato Villalba, gerente sênior da Michael Page, consultoria especializada no recrutamento de gerentes e diretores, diz que muitos empregadores pagaram um preço alto pela chamada juniorização dos cargos de chefia.
 
"Pessoas mais jovens, muitas vezes, não têm experiência para enfrentar turbulências do momento", diz Villalba.
 
Outras empresas mantiveram os empregados seniores, mas lhes deram mais responsabilidades do que talvez possam assumir, o que também é arriscado, diz o consultor.
 
Especialistas que acompanham o mercado de trabalho, no entanto, atribuem esses cortes não só a estratégias pontuais para lidar com cenários de crise, mas também a uma mudança que pode ser estrutural.
 
Marcadores: desemprego cargos chefia
Fonte: Uol - Mercado
Link: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/07/desemprego-e-mais-duro-para-cargos-de-chefia.shtml?utm_source=chrome&utm_medium=webalert&utm_campaign=economia
Última atualização: 01/08/2018 às 10:23:55
 
Nota da Assessoria: O Sintaf não se responsabiliza pelo conteúdo e/ou opiniões emitidas nas notícias reproduzidas nesta área. As notícias aqui disponibilizadas são reprodução de temas de interesse veiculados na mídia.
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente

Comentários

Seja o primeiro a comentar. Basta clicar no botão acima.

Rua Agapito dos Santos, 300 - Centro
Fortaleza/Ce | CEP 60010250

www.igenio.com.br