Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras


Saiu na Imprensa

  12/07/2018   

Déficit de 27% no salário de servidor federal no CE

Mais de 50% dos profissionais com vínculo federal no Estado ainda estão na ativa
 
Ao contabilizar mais de 20 anos sem ajustes que promovessem ganhos reais sobre os salários e preocupados com o resultado da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2019, o Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público
Federal no Estado do Ceará (Sintsef-CE) contabiliza um déficit salarial que varia entre 15% e 27%, dependendo do órgão ou autarquia na qual desempenham função.
 
O prejuízo vem sendo amargado, segundo aponta o diretor Adriano Duarte, por cerca de 16 mil servidores, dos quais metade está na ativa e o restante corresponde a aposentados e pensionista. "Quando há uma orientação orçamentária como essa, mostra um equívoco do Governo Federal, pois toda a gestão vai ficar inviabilizada e o cidadão que precisa de serviços públicos ficará mais prejudicado", protesta Duarte.
 
Ele aponta a necessidade de promover reconhecimento e valorização do servidor federal para que o serviço público seja prestado com a qualidade devida e critica as contratações de empresas terceirizadas para substituí-los em órgãos e autarquias do poder público federal. "Na área de arrecadação e fiscalização, há serviços importantíssimos e que não podem ser entregues nas mãos de empresas", argumenta.
 
Falta de pessoal
 
"Se a política do governo não for alterada nos próximos anos, a tendência é que o pessoal ativo tenha uma redução de 15% no próximo ano e, em 2020, a expectativa chega a 80% de aposentados", afirma.
 
A falta de pessoal é outro ponto de bastante preocupação pelo Sintsef-CE, segundo conta Duarte. A defasagem chega a 30% dos cerca de 8 mil servidores na ativa, o que contabiliza aproximadamente a carência de 2,4 mil pessoas para que o serviço público federal esteja em plenas condições no Ceará.
 
O diretor ainda denuncia a gravidade de alguns órgãos, cujos quadros de pessoal estão prestes a não existir, como no Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs). "É um dos órgãos vitais para o serviço público aqui no Nordeste e tem apenas 120 servidores ativos quando precisaria de 400. Sendo que aqueles que estão lá, estão aptos a se aposentar". 
 
Protestos
 
Na manhã de ontem (11), integrantes de entidades que representam os servidores públicos fizeram um protesto na entrada do anexo 2 da Câmara dos Deputados, local que dá acesso aos plenários das comissões. O alvo principal foi a proibição à concessão de reajustes no ano que vem, medida que consta no parecer da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2019. O ano de 2019 será o sexto com déficit primário, ou seja, com despesas maiores que receitas.
 
O governo pode economizar cerca de R$ 6 bilhões com o adiamento dos reajustes de servidores civis programados para o início de 2019. Caso a postergação atinja os militares, essa economia sobe para R$ 11 bilhões. Os gastos com pessoal representam hoje a segunda maior despesa primária do Orçamento, atrás dos benefícios previdenciários. A folha de salários da União deve custar R$ 302,5 bilhões em 2018. Um reajuste, ainda que o da inflação, elevaria as despesas em R$ 10,6 bilhões.
Marcadores: déficit servidores LDO Sintsef servidor federal déficit
Fonte: Diário do Nordeste - Negócios
Link: http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/negocios/deficit-de-27-no-salario-de-servidor-federal-no-ce-1.1968462
Última atualização: 12/07/2018 às 10:17:47
 
Nota da Assessoria: O Sintaf não se responsabiliza pelo conteúdo e/ou opiniões emitidas nas notícias reproduzidas nesta área. As notícias aqui disponibilizadas são reprodução de temas de interesse veiculados na mídia.
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente

Comentários

Seja o primeiro a comentar. Basta clicar no botão acima.

Rua Agapito dos Santos, 300 - Centro
Fortaleza/Ce | CEP 60010250

www.igenio.com.br