Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras


Saiu na Imprensa

  13/06/2018   

Senado Federal discute Reforma Tributária Solidária

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal, promoveu nesta terça- feira (12), audiência pública para discutir o sistema tributário nacional, oportunidade em que o professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Eduardo Fagnani, apresentou as premissas do documento-manifesto Reforma Tributária Solidária: Menos Desigualdade, Mais Brasil, de iniciativa da Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco) e Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Anfip), com o objetivo de corrigir as distorções do modelo vigente.
 
Durante a reunião, Fagnani, que também é o coordenador do projeto, destacou que a reforma tributária necessária para o Brasil precisa enfrentar o caráter regressivo do sistema, restabelecer o equilíbrio federativo e garantir recursos para o fortalecimento e financiamento da proteção social. “A proposta é construir um sistema tributário semelhante ao de países desenvolvidos, que combinam tributação progressiva e crescimento econômico. Transferências sociais são responsáveis por combater a desigualdade e valorizar o mercado interno, fomentando o emprego e a produção”, disse.
 
Ao analisar o modelo tributário adotado no Brasil, o coordenador-geral do Conselho Nacional de Secretários de Fazenda (Consefaz), André Horta de Melo, fez duras críticas à política de benefícios fiscais. “Os estados não têm capacidade para enfrentar crises institucionais, e em 2017 perderam quase R$ 100 bilhões em receitas, pois a União, efetuou cortes, dando isenções sobre impostos compartilhados”.
 
Para Horta, o sistema de tributação promove uma má distribuição de renda, pois “concentra a carga sobre o consumo, de forma regressiva, reduzindo o poder de compra do consumidor, tornando difícil o enfrentamento às intempéries do mercado internacional”.
 
O secretário da Receita Federal do Brasil, Jorge Rachid, também criticou a política de incentivos fiscais, (que deveriam ser tratadas como exceção e jamais como regra), uma vez que geram distorções no sistema e privilegiam a concentração de renda. “O salário médio do brasileiro é próximo ao limite de isenção do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF), e essa situação piora, porque as renúncias sobre o IR alcançam quase a metade dos incentivos, que se aproxima dos 4% do PIB”.
 
Rodrigo Octávio Orair, diretor da Instituição Fiscal Independente (IFI), disse que o projeto Reforma Tributária Solidária é plausível e que foge do dualismo da simplificação e equidade como em outras discussões. “O livro A Reforma Tributária Necessária: Diagnóstico e Premissas, é completo e equilibrado, se destaca por sua qualidade técnica e pela amplitude dos temas abordados, que vão desde a questão da eficiência a tributação ambiental”.
 
APOIO PARLAMENTAR
 
O senador Eduardo Braga (MDB-AM), elogiou a proposta encabeçada pela Fenafisco e Anfip, defendeu o combate às desigualdades e o aprimoramento do modelo tributário brasileiro. “Não existe Imposto de Renda no Brasil, existe é a tributação sobre salários. Não tributamos fortunas, tributamos a produção”, disse Braga.
 
Lindbergh Farias, presidente do Partido dos Trabalhadores no Senado, criticou a disparidade na tributação de renda no Brasil, que privilegia as altas rendas no país. “Os multimilionários pagam só 6,1% no imposto de renda, o nome disso é Robin Hood às avessas. Estamos tirando dos pobres para dar aos ricos”, lamentou.
 
A senadora Fátima Bezerra (PT-RN), elogiou a proposta do Fisco, como forma de combater as disparidades socioeconômicas. “Quem paga mais imposto no Brasil é quem ganha menos, a melhor forma de tratar isso é através da Reforma Tributária Solidária”, disse.
 
O Diretor de Assuntos Parlamentares da Fenafisco, Pedro Lopes, acompanhou a audiência, e acredita que é preciso sair do pensamento tradicional, quando o assunto é reforma tributária, baseada apenas na simplificação de tributos. Segundo Lopes, é necessária “uma reforma ampla, que seja capaz de deixar o sistema de tributação brasileiro mais progressivo, moderno, promovendo um estado de bem-estar social para todos.
 
SOLIDARIEDADE FISCAL
 
De junho de 2017 a junho de 2018, mais de 40 especialistas se reuniram para elaborar um amplo diagnóstico do sistema tributário nacional, com o objetivo de produzir um documento-proposta para uma reforma que enfrente as anomalias do modelo de tributação brasileiro. O projeto tem apoio do Conselho Federal de Economia (Cofecon), do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), da Fundação Friedrich-Ebert-Stiftung Brasil (FES), do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), do Instituto de Justiça Fiscal (IJF) e da Oxfam Brasil. Para conferir a íntegra do Manifesto, clique aqui.
 
No dia 21 de junho a Comissão de Direitos Humanos (CDH), do Senado Federal, vai discutir o projeto, com enfoque da proposta no combate a redução das desigualdades sociais.
Marcadores: reforma tributária reforma tributária solidária
Fonte: Fenafisco
Link: http://www.fenafisco.org.br/noticias-fenafisco/item-2/item/2580-senado-federal-discute-reforma-tributaria-solidaria
Última atualização: 13/06/2018 às 13:24:58
 
Nota da Assessoria: O Sintaf não se responsabiliza pelo conteúdo e/ou opiniões emitidas nas notícias reproduzidas nesta área. As notícias aqui disponibilizadas são reprodução de temas de interesse veiculados na mídia.
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente

Comentários

Seja o primeiro a comentar. Basta clicar no botão acima.

Rua Agapito dos Santos, 300 - Centro
Fortaleza/Ce | CEP 60010250

www.igenio.com.br