Governo do Estado confirma flexibilização do isolamento social no Ceará em junho com abertura gradual de setores

119

Governo do Ceará detalha hoje quais segmentos retornam e quais as medidas de segurança precisam ser tomadas na reabertura gradual. Lista é mantida em segredo até mesmo dos setores econômicos

pós 23 dias de Fortaleza em lockdown e 72 dias de quarentena no Estado, parte dos setores econômicos poderá voltar gradualmente às atividades a partir de 1º de junho. A confirmação foi realizada pelo governador do Ceará, Camilo Santana (PT), por meio de live nas redes sociais. Detalhes do plano econômico serão divulgados hoje. A retomada terá quatro fases e deve ter comprometimento com enquadramentos técnicos, conforme protocolos de cada setor. O termômetro para o avanço da reabertura é a capacidade de atendimento do sistema de saúde do Ceará.

Entre uma etapa e outra, será dado um intervalo de 14 dias para o monitoramento da situação. Caso a curva de contágio aumente, a flexibilização pode ser suspensa. O POVO apurou, no dia 18 de maio, que as cadeias econômicas presentes na primeira fase são indústria de artigos de couro e calçados; de energia; saneamento básico e reciclagem; indústria têxtil; indústria metalmecânica, química e correlatos; agropecuária; construção civil; empresas de serviço; cadeia moveleira; indústria de TI; e comunicaçãoAtividades como assessorias esportivas e com personal trainer também devem ser liberadas, porém sem aglomerações, conforme adiantou ao O POVO o titular da Secretaria do Esporte, Rogério Pinheiro.

“O isolamento social tem salvado vidas e nos deu tempo para reestruturar nosso sistema público de saúde. E com a confirmação da estabilização de casos na Capital (epicentro no Ceará), pretendemos iniciar a retomada da economia cearense, de forma gradativa”, justificou Camilo.

O POVO apurou que plano de retomada dos setores já está pronto. Os protocolos de diversos segmentos para a retomada foram alinhados e todo o trabalho foi realizado sob análise de Carlos Roberto Martins, o Dr. Cabeto, secretário da Saúde do Estado.

A flexibilização do isolamento para essas atividades econômicas não significa o fim do isolamento, portanto, as não inseridas na lista devem continuar sem funcionar. O movimento do governo estadual acontece em meio ao aumento da adesão ao isolamento social em Fortaleza após o lockdown. Em duas semanas, a Capital permanece com índice superior a 50%.

Com o exemplo de países que já estão fases à frente do Ceará e permitiram a flexibilização, o economista Gilberto Barbosa considera prudente a ideia de reavaliar os casos a cada 14 dias. Ele concorda que, na medida em que a infecção é controlada e o setor de saúde permita, faz sentido ir voltando aos poucos.

Sobre a provável lista, Gilberto diz que “são setores em que é possível controlar melhor a circulação de pessoas. É diferente de tentar abrir um shopping, por exemplo. O Ceará está seguindo praticamente o mesmo protocolo que vimos em outras cidades do mundo“, observa.

Na Capital, o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Fortaleza, Assis Cavalcante, relata que a retomada “é como sair de uma batalha”, mas não espera grandes movimentos nos primeiros dias. “Do ponto de vista mercadológico, será um momento de readaptação”.

“Nós estamos muito sofridos. O varejo está muito marcado por mais de 12 mil demissões. Isso mexeu muito com o foro íntimo dos lojistas, com a equipe, pelos cortes que aconteceram. O consumidor está retraído, com medo de comprar por medo de perder o emprego e de sair de casa ainda. Esse novo momento ainda será muito difícil”, afirma.

O protocolo de atendimento do comércio inclui a regulação da quantidade de pessoas dentro das lojas, fitas demarcando o distanciamento em filas, álcool gel, alguns estabelecimentos terão placas de acrílico restringindo o contato entre funcionários e clientes, ar-condicionado com limpeza frequente. As lojas reabrirão com 40% da força de trabalho.

Outro item acordado com o governo é a abertura e fechamento escalonados dos comércios. Assis ainda conta que foram instaladas pias na Praça do Ferreira para assepsia, mas cobra um mutirão de limpeza no Centro antes do dia 1º. Também pede ao governador que confirme logo “para que os empresários possam fazer a higienização dos locais, instalar as faixas de separação” para atender ao público na retomada.

Procurado pelo O POVO, o presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio-CE), Maurício Filizola, recebeu com surpresa a informação do anúncio do governador. Ele relata que os setores não haviam sido informados previamente. A Federação das Indústrias do Estado (Fiec) também foi procurada, mas não deu retorno.

Plano de flexibilização do distanciamento social no Ceará

Possíveis setores na primeira fase da flexibilização*

– Indústria química, metalmecânica e correlatos.
– Preparação, fabricação e comercialização de artigos de couros e calçados.
– Saneamento básico e reciclagem.
– Construção civil.
– Fabricação, confecção e comercialização de produtos têxteis e roupas.
– Comunicação, publicidade e imprensa.
– Serviços de apoio a empresas e família.
– Artigos do lar.
– Agropecuária.
– Comercialização de flores, plantas, couros, obras de irrigação.
– Cadeia moveleira.
– Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

– Geração, transmissão e distribuição de energia elétrica.

– Treinos dos clubes de futebol, assessorias esportivas e personal trainer.
*Os setores estão passíveis de mudança até a formalização de um decreto de flexibilização

Fonte: Levantamento O POVO com setores

Critérios*:

1. Leitos disponíveis nas unidades de atendimento do Estado
2. Internações registradas
3. Óbitos causados pela Covid-19
*Os indicadores serão acompanhados em áreas de risco sanitário dentro das cinco regiões de saúde do Estado no IntegraSUS

Divisão das atividades para reabertura:

Fase 1 – Primeiro grupo de atividades
Fase 2 – Segundo grupo de atividades
Fase 3 – Terceiro grupo de atividades
Fase 4 – Quarto grupo de atividades

Entre uma etapa e outra, será dado um intervalo de 14 dias para o monitoramento da situação
Toda as atividades flexibilizadas seguirão todos os protocolos de segurança

Definição de cada grupo

1. Baseado em riscos sanitários
Primeira fase = Baixo risco
Quarta fase = Alto risco

2. Baseado em aspectos econômicos e sociais
Primeira fase = Alto impacto
Segunda fase = Baixo impacto

Setores que levaram propostas ao Governo do Estado para a retomada:

Automotivo; construção civil e imobiliária; economia do mar; energias renováveis; flores; turismo e eventos.

Protocolos a serem seguidos pelos segmentos:

Higienização constante e efetiva do local de trabalho.
Medição de temperatura de colaboradores e consumidores.
Respeito ao distanciamento social entre as pessoas.
Uso obrigatório de máscaras.

Fonte: Governo do Estado

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here