Fazendários pedem providências sobre ADI 5299 e mudança no cálculo do PDF para aposentadoria

599
P.F. Edson Ramalho

Está chegando a hora dos fazendários cearenses se reunirem novamente em sua instância máxima de deliberação, a Assembleia Geral Extraordinária (AGE), convocada para a próxima sexta-feira (18), às 8h30, no Marina Park Hotel. Nesta terça-feira (15), os diretores do Sintaf deram continuidade à mobilização dos filiados, desta vez no Nuat Aquiraz e no posto fiscal Edson Ramalho.

Os servidores entendem que toda a pauta é de grande relevância, mas dois assuntos estão causando uma intranquilidade ainda maior: a ADI 5299 e a mudança no cálculo do PDF para incorporação à aposentadoria. “Os colegas solicitaram ao Sintaf que sejam tomadas todas as providências necessárias. No caso do parecer da Procuradoria-Geral do Estado, que resultou na mudança de entendimento dos cálculos dos proventos de aposentadoria, eles sugeriram, inclusive, que o assunto chegue ao conhecimento do governador”, explica o diretor Remo César.

Para os fazendários, não é justo que uma categoria que tanto trabalha para o desenvolvimento do Estado termine seus dias de trabalho com a redução da média do PDF, conforme aponta o parecer da PGE. “Outras reclamações dizem respeito principalmente à falta de infraestrutura nas unidades do Trânsito de Mercadorias: não há balança, o scanner não funciona, não há carro disponível e a grande carência de servidores mostra a necessidade urgente de concurso público”, relata Remo.

Durante a mobilização, os servidores se comprometeram a participar da Assembleia Geral Extraordinária e contribuir com os encaminhamentos, a fim de que toda a categoria saia fortalecida da AGE.

A mobilização terá continuidade nesta quarta-feira (16).

Nuat Aquiraz

1 COMENTÁRIO

  1. Elogio a visão da diretoria na condução das nossas lutas contra aos ataques vários que nos ameaça atualmente. E especialmente as investidas da atual administração da casa quanto ao segmento trânsito de mercadorias e a nós colegas com exigências descabidas em face ao desmonte nas condições mínimas de infraestrutura dos postos Fiscais e a falta de Pessoal mínimo para desenvolver os nossos trabalhos nas atividades de fiscalização.

Deixe um comentário para Carlos José Ximenes Mota Cancelar resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here