Entenda por que a PEC dos Precatórios traz incertezas fiscais num momento de melhora nas contas públicas

112

Mudança no teto de gastos prevista no projeto traz risco de aumento nas despesas obrigatórias de forma permanente, alertam economistas

A aprovação pela Câmara, em primeiro turno, da PEC dos Precatórios, que muda o teto de gastos para garantir um auxílio maior em ano eleitoral, ocorre em meio a uma melhora na arrecadação de impostos e nos resultados fiscais do governo que superaram as previsões do mercado.

Em relatório recente enviado a clientes, o economista-chefe do BTG Pactual Mansueto Almeida, ex-secretário do Tesouro, destacou que o governo tem “conseguido transformar um cenário de recuperação fiscal surpreendente em um cenário de maior risco”.

Analistas destacam que a melhora recente nas contas públicas ocorreu por fatores atípicos, como uma base muito deprimida em 2020 e a alta da inflação. E lembram que, como pontuou Mansueto em seu relatório, o mercado vê na mudança no teto de gastos o risco de um aumento nas despesas obrigatórias de forma permanente. Esse risco eliminaria toda a melhora recente nas contas públicas.

— O que a Receita notifica todo mês é que temos recolhimentos atípicos por diversos motivos, como o aumento das commodities, o valor do câmbio e uma base de arrecadação inflada — avalia Juliana Damasceno, economista sênior da Tendências Consultoria.

E complementa:

— Quando pegamos a arrecadação deflacionada, descontado o IPCA (índice oficial de inflação), parece que está corrigida, mas muitas vezes não está, porque alguns itens subiram muito mais.

Em setembro — último dado disponível — a arrecadação de impostos federais subiu 12,87% e alcançou patamar recorde de R$ 149 bilhões para o mês.

Em seu relatório, Mansueto destaca outro indicador importante de melhora nas contas públicas, o resultado nominal (receitas menos despesas, já considerando o pagamento de juros da dívida) do setor público, que no intervalo de um ano saiu de um déficit de 16,3% do PIB em setembro de 2020 para um déficit de 4,4% do PIB agora, em um ajuste de mais de R$ 600 bilhões.

“O Brasil fez uma melhora muito rápida”, ressalta o economista. E a previsão é terminar o ano com déficit nominal de 6% do PIB, mesmo patamar desde 2019 e bem abaixo dos 14% do ano passado. No mesmo período, os EUA reduziram seu déficit num ritmo muito menor, de 15% para 12% do PIB.

Mansueto alerta, porém, que “a crescente incerteza das ações do governo” aumentou a percepção de risco no mercado. E, se de fato houver um aumento permanente nas despesas públicas com as mudanças no teto de gastos, isso levará a altas de juros, comprometendo o resultado fiscal do governo.

— Com a PEC, mudaram as regras no meio do jogo, e isso gera maior desconfiança dos agentes de mercado, o que já se reflete em um aumento dos juros futuros — aponta Felipe Salto, do Instituto Fiscal Independente (IFI).

A consequência, segundo Salto, é uma despesa maior com os juros da dívida pública. Em setembro, segundo cálculos do IFI, o governo pagou R$ 55 bilhões em juros, 36% a mais do que no mesmo mês do ano passado.

Para Salto, a PEC é “um equívoco”, considerando que a ampliação do Bolsa Família poderia ser feita sem interferir com o teto de gastos, se o governo estivesse disposto a cortar emendas parlamentares e outras despesas discricionárias, isto é, não obrigatórias.

— O que o mercado está precificando é essa lambança fiscal, é a mudança da regra do teto enquanto o jogo está rolando — resume Margarida Gutierrez, da Coppead/UFRJ.

Fonte: O Globo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here