Empresa de energia solar chega ao Ceará com usinas em 30 cidades e investimento previsto em R$800 mi

98

As fazendas geradoras ainda devem gerar 500 empregos diretos e 1.000 indiretos até o ano que vem

Tendo em visto o potencial de produção de energia solar no Estado, a Órigo Energia chega ao Ceará com previsão de investir R$ 800 milhões até 2024. A empresa, líder no País em geração compartilhada de energia, já possui usinas em diferentes fases de implantação em 30 municípios cearenses.

Cada projeto possui potência instalada de 2 a 5 MW, devendo totalizar 150MW nos próximos dois anos. O volume é o dobro da potência que a empresa já possui em operação nos estados de Minas Gerais, São Paulo e Pernambuco.

As fazendas ainda devem gerar 500 empregos diretos e 1 mil indiretos até 2023.
O CEO da companhia, Surya Mendonça, explica que a Órigo ENergia atua no segmento de geração distribuída focando em clientes residenciais e pequenas e médias empresas.

No modelo compartilhado de geração de energia, em vez de cada consumidor instalar a própria usina, eles “alugam” cotas de uma fazenda remota construída pela intermediadora, no caso a Órigo.

“Nós construímos as fazendas solares, as conectamos à rede distribuidora, e cada cliente tem uma cota que gera sua própria energia. Nesse modelo de aluguel, eles conseguem economizar cerca de 10%”, esclarece.

Ele argumenta que, apesar da instalação da própria usina gerar economias mensais maiores em alguns casos, a vantagem do compartilhamento é justamente a não necessidade de um investimento significativo para a implantação dos painéis.

A partir da adesão, os clientes passam a receber os pacotes de energia solar contratados em suas residências ou negócios diretamente pela rede de distribuição local.

Os contratos, segundo Mendonça, são de curto prazo e podem ser ajustados conforme mudanças no consumo do cliente, seja para mais ou para menos.

“Nós pedimos algum comprometimento, alguma garantia, mas o cliente adere se ele acha que é interessante e possui um prazo para sair. A gente quer ter clientes felizes e não clientes presos”, ressalta.

PLANOS PARA O CEARÁ

Mendonça revela que a Órigo vem analisando e planejando a chega ao Ceará por anos e espera que, quando consolidada, a operação se iguale ao maior mercado que a empresa possui, atualmente em Minas Gerais, onde já atuam há cinco anos e acumula mais de 50 mil clientes.

“O Ceará sempre esteve nos nossos planos. Começamos a trabalhar há alguns anos para ter os movimentos certos e, agora, lançamos nossos projetos. Somos líderes de mercado e esperamos replicar esse modelo aqui”, destaca.

O planejamento da empresa é que até o fim deste ano as primeiras usinas já entrem em operação. O executivo, no entanto, não revelou onde os projetos estão sendo construídos, o número exato e a projeção do número de clientes para este primeiro momento.

Ainda assim, ele indica que as fazendas devem ficar espalhadas por todo o Interior do Estado, em pequenas cidades onde o investimento acaba causando maior impacto econômico, especialmente durante o período de construção, que costuma durar seis meses.

Fonte: Diário do Nordeste

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here