Em Fortaleza, ato reúne mais de 20 mil contra a reforma da Previdência

158


Mais de 20 mil trabalhadores participaram nesta sexta-feira (22/3), em Fortaleza, do Dia Nacional de Luta contra a reforma da Previdência. Após se reunirem na Praça da Imprensa, no início da manhã, os manifestantes seguiram em passeata pela Avenida Desembargador Moreira até a Praça Portugal, onde houve um ato em defesa do direito à aposentadoria. Convocados pelo Sintaf, os fazendários marcaram presença. “Não concordamos com a reforma e iremos lutar para que o projeto não seja aprovado”, enfatizou o diretor de Organização do Sintaf, Lúcio Maia.


A passeata contou com diversos carros de som em seu percurso, que tocavam paródias bem humoradas, mas com forte teor de protesto, intercaladas com os discursos dos representantes das mais diversas categorias. “A festa da resistência é na rua. É na rua que se defende os direitos dos trabalhadores. Nosso recado ao governo é que essa reforma não vai passar!”, destacaram os dirigentes sindicais.


O protesto alertou sobre os pontos mais nefastos da reforma, a exemplo da retirada da Previdência da Constituição Federal. “Fim da aposentadoria: o alvo é você” era o recado exposto nas camisas, além da sinalização para a greve geral: “Se botar pra votar, o Brasil vai parar”.


Déficit mentiroso


No ato, diretores do Sintaf distribuíram um panfleto com “5 fatos que não te contaram sobre a Reforma da Previdência”. Dentre os pontos, o Sindicato critica o déficit da Previdência, já que o governo federal omite que todo ano retira 30% dos recursos destinados ao orçamento da Seguridade Social para pagar os juros da dívida pública, através de um instrumento chamado Desvinculação das Receitas da União (DRU). Segundo estudo do Sintaf, caso a DRU fosse revogada, a Seguridade Social (que engloba saúde, assistência e previdência) teria um resultado positivo (superávit) de R$ 3,45 bilhões. 


:: 5 fatos que não te contaram sobre a Reforma da Previdência


https://www.sintafce.org.br/noticias_detalhes.php?cod_noticia=12729&cod_secao=1



Centrais unidas



O Dia de Luta foi encampado pelas principais centrais sindicais do país: CUT, CSP Conlutas, Intersindical, CTB, CSB e Unidade Classista. O objetivo é alertar a sociedade para os perigos dessa reforma e pressionar os nossos deputados e senadores para que votem contra.