Dívida pública sobe 0,85% e fecha março em R$ 5,2 trilhões

18

Recursos financiam o deficit Tesouro divulgou informações

A dívida pública federal fechou em R$ 5,24 trilhões em março. O valor representa uma alta nominal –sem considerar a inflação– de 0,85% em relação a fevereiro, quando ficou em R$ 5,19 trilhões.

As informações são do relatório mensal da dívida (íntegra – 2 MB), divulgado nesta 4ª feira (28.abr.2021) pela Secretaria do Tesouro Nacional, do Ministério da Economia.

A dívida pública é emitida pelo Tesouro Nacional para financiar o deficit orçamentário do governo, ou seja, para cobrir as despesas que superam a arrecadação com impostos, contribuições e outras receitas. É vista como uma das principais referências para avaliação da capacidade de pagamento do país pelas agências globais que avaliam grau de investimento.

Com o resultado, a dívida segue abaixo do intervalo estabelecido como meta pelo governo federal. O PAF (Plano Anual de Financiamento) para 2021 estima que a dívida pública oscile de R$ 5,6 trilhões a R$ 5,9 trilhões.

DIVISÃO DOS TÍTULOS

Em relação à composição da dívida, houve a seguinte variação:

  • taxa flutuante – participação caiu de 34,8% para 33,8%;
  • títulos prefixados – percentual subiu de 34,4% para 34,7%;
  • índice de preços – subiu de 25,8% para 26,4%;
  • títulos atrelados à taxa de câmbio – aumentou de 5,0% para 5,02%.
CUSTO MÉDIO E PRAZO

O custo médio acumulado de 12 meses, que influencia o ritmo de crescimento da dívida, teve nova queda. Foi de 8,11% em fevereiro para 7,64% em março.

O prazo médio da dívida ficou estável em 3,63 anos, sendo:

  • 3,42 anos – para a dívida interna;
  • 7,71 anos – para a dívida externa.

Fonte: Poder 360

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here