Conselho Sindical traça estratégias para continuidade da luta pelos projetos da categoria

738

Os projetos de regulamentação do teto remuneratório e incorporação do piso do PDF, cuja tramitação foi suspensa na Assembleia Legislativa do Ceará por conta da pandemia, e os desdobramentos do teletrabalho na Secretaria da Fazenda pautaram a reunião do Conselho Sindical desta quinta-feira (14). A reunião contou com 27 participantes, dentre diretores, delegados e lideranças sindicais, que discutiram juntos os próximos passos na luta pela aprovação dos pleitos.

Ao abrir a reunião, o diretor de Organização do Sintaf, Lúcio Maia, reafirmou que a categoria respeita o momento atual, em que a pandemia ceifa vidas no mundo inteiro, mas o Sindicato não pode ficar parado enquanto questionamentos jurídicos ameaçam cerca de 40% da remuneração de ativos, aposentados e pensionistas. “Nossos pleitos são urgentes, por isso o nosso esforço deve continuar”, destacou o diretor.

Votação pós-pandemia

Em suas falas, os delegados e lideranças sindicais externaram a preocupação com o momento atual. “O governador Camilo Santana vem adiando a solução do problema há bastante tempo e ficamos nas promessas”, criticou um dos presentes. “Após a pandemia, não podemos aceitar mais postergações. Não há mais o que esperar”, acrescentou outro delegado sindical. “O Governo procrastinou o quanto pode e agora nos encontramos nessa situação. Os prejuízos podem ser muitos. Precisamos de apoio político”, opinou outra liderança.

“Nossos projetos deveriam ter sido aprovados entre novembro e dezembro. A Administração Fazendária, inclusive, referendou todos os pontos negociados em comunicado oficial. Mas naquele período o Governo do Estado priorizou a reforma da previdência e mais uma vez fomos relegados a segundo plano”, completou o diretor Kleber Silveira.

A proposta da Diretoria, apresentada ao Conselho Sindical pelo diretor Lúcio Maia, foi a de que os projetos sejam postos em votação logo após o fim da pandemia do novo coronavírus. “Quando as atividades presenciais começarem a retornar, com riscos reduzidos, começaremos a fazer a cobrança de nossos pleitos”, sugeriu o dirigente sindical, reforçando que ambos os projetos – teto remuneratório e incorporação do piso do PDF – precisam ser aprovados em conjunto.

A proposta foi acatada por unanimidade pelos membros do Conselho.

Manutenção de salários

O diretor Lúcio expôs ainda que o recebimento do teto está garantido até junho, mas a partir de julho a tendência é que os fazendários recebam o piso do PDF. “A nossa proposta é viabilizar uma forma de manter nossos salários até a aprovação dos projetos. Veremos o instrumento normativo ideal”, disse. “Se o Governo tem alguma consideração com a categoria, a hora de demonstrar é agora”, acrescentou o diretor Kleber Silveira.

Delegados e lideranças concordaram com a diretriz apontada pelo Sintaf.

Reestruturação e teletrabalho

Com as restrições impostas pelo isolamento social, toda a Sefaz entrou em regime de teletrabalho. A Diretoria Colegiada, inclusive, tem discutido problemas pontuais com a Administração Fazendária (já ocorreram duas reuniões, em 9 e 22 de abril). No Conselho Sindical de hoje, os diretores apontaram a preocupação com a continuidade do processo de reestruturação da Sefaz em plena pandemia e a ameaça de redução das atividades fins da Instituição.

As atividades de fiscalização continuam com o teletrabalho, mas uma das críticas é que toda e qualquer intimação está suspensa desde o primeiro dia do decreto do isolamento social. “A Sefaz proibiu os auditores fiscais de intimar os contribuintes”, critica o diretor Kleber Silveira. “Entendemos que a notificação não deva ser feita, mas o contribuinte poderia ser intimado para apresentar a documentação necessária”, argumenta o diretor.

Em paralelo, há núcleos setoriais na CESEC que serão fundidos a partir de junho. “Como se não bastasse a junção da Setorial de Couros e Calçados com Bebidas e Cigarros, a partir do próximo mês teremos a fusão da Setorial de Produtos Automotivos com Produtos Farmacêuticos”, explica o diretor Jucélio Praciano. “E tudo sem critério técnico. O motivo alegado é que muitos auditores irão se aposentar”, afirma o diretor, ressaltando que tais arranjos prejudicam a lógica da organização da CESEC por núcleos setoriais.

A Diretoria ressalta que postos fiscais e Células de Execução Tributária (Cexats) foram fechados sem nenhuma discussão técnica, prejudicando a atividade de arrecadação e fiscalização. Não foi apresentada nenhuma análise técnica para que o Sintaf e a categoria pudessem opinar. Dessa forma, os diretores veem como desnecessária a continuidade do processo de reestruturação em tempos de isolamento.

Ainda sobre condições de trabalho, servidores lotados no posto fiscal do Pecém relataram que foram chamados a voltar à unidade desde a última segunda-feira (11) sem nenhuma justificativa, para realizar atividades que são compatíveis com o teletrabalho.

“O objetivo da Administração é reduzir as atividades fins da Sefaz. Não podemos deixar que isso aconteça. Arrecadar tributos é função do Fisco, por isso mesmo tem que ser impositiva, mas com respeito ao contribuinte”, denunciou Lúcio Maia. “Além da tributação, arrecadação e fiscalização, o que nos diferencia é o controle da atividade financeira do Estado”, completou.

Para o diretor Carlos Brasil, quando a Sefaz abre mão de fiscalizar, passa a mensagem de que os fiscais não são necessários. “E isso não é verdade. Mesmo com a tecnologia, o auditor fiscal é imprescindível. A fiscalização precisa ser incrementada”, enfatizou o diretor. “Esta posição da Administração é preocupante. Não somos uma empresa privada. Estamos defendendo competências e atribuições de um órgão de Estado”, completou o diretor Pedro Vieira.

Sobre este ponto, a Diretoria Colegiada, junto com a categoria fazendária, irá apresentar um projeto de reestruturação da Sefaz, visando um Fisco forte em benefício da sociedade cearense. “Vamos repensar juntos a Secretaria da Fazenda que a categoria almeja, contanto que as atividades fins sejam preservadas”, destacou o diretor Wildys de Oliveira. Por oportuno, Wildys expôs que o Sintaf ingressou com ação na Justiça para evitar que a Administração Fazendária corte o ponto dos servidores que se encontram em regime de teletrabalho por força da pandemia.

1 COMENTÁRIO

  1. Foi ótimo o resultado – Mesmo assim Gostaria de participar da próxima Assembleia. Me mande orientações como posso participar.

Deixe um comentário para Carlos Venício Jatai Gadelha Cancelar resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here