Com perda do poder de compra, consumidor fortalezense se habitua a trocar produtos

17

Preços 33% maiores | Mesmo com a troca de marcas, os relatos é de que não se economiza tanto quanto o esperado. Veja dicas para substituição de alimentos, quais itens sofreram os maiores aumentos, e como fica a inflação em produtos da Capital

Mês após mês, Socorro Barbosa tenta substituir os alimentos no carrinho de compras para driblar a alta dos preços. A dona de casa de 61 anos trocou a carne vermelha por ovos, salsicha e sardinha, em um exercício semanal para garantir o sustento familiar na busca pelo menor valor. Mas ela relata que mesmo com bastante pesquisa antes de escolher os produtos, não consegue economizar como antes.
Variação entre preços de produtos faz com que fortalezense pesquise mais antes de comprar

 (Foto: FERNANDA BARROS)
Foto: FERNANDA BARROSVariação entre preços de produtos faz com que fortalezense pesquise mais antes de comprar

E essa é a realidade vivida por muitos fortalezenses. Em pesquisa exclusiva ao O POVO, a Infomarket, empresa especializada em inteligência de mercado no varejo, comparou as categorias de produtos da cesta básica entre os meses de janeiro a abril de 2021, com o igual período de 2022. O conjunto ficou 33% mais caro em Fortaleza.

Do café à manteiga: tudo está pesando no bolso

Dentre as 16 categorias analisadas, estão itens como café, óleo de soja, arroz, açúcar e manteiga. O estudo foi realizado em 16 supermercados da capital cearense, e os preços checados diretamente na gôndola pelos pesquisadores. No total, foram comparados 82 itens de marcas diversas em uma mesma categoria.

O resultado mostra que apenas 18 apresentaram redução de preço, com os 64 restantes mais caros para o consumidor no período analisado. Cenoura, tomate, café e óleo de soja tiveram as maiores variações, e acompanham a tendência de encarecimento da gasolina e energia elétrica percebida pela população.

Entre os produtos que reduziram de preço estão essenciais como arroz, em média 15,3% mais barato, e o feijão, com 2,7% de alteração. O aumento na produção e as condições climáticas são algumas das razões para essas variações. Ainda com as reduções apresentadas, a alimentação ficou mais cara na capital e no restante do País.

Em entrevista ao O POVO, a diretora da Infomarket, Katrine Rodrigues, comenta sobre a perda do poder de compra da população em razão dos efeitos da pandemia de Covid-19 e da alta dos combustíveis: “É um desafio para o consumidor buscar alternativas para os alimentos que estão com preços elevados e, ao mesmo tempo, garantir uma alimentação de qualidade.”

Além da busca por produtos de marcas alternativas, o consumidor precisa comparar mercados diferentes para economizar nas compras, o que é outra dificuldade apontada pela diretora.

Desafio não é garantir somente menor preço

Sobre esse desafio, a nutricionista Rafaele Zanete observa que itens básicos para uma alimentação saudável como frutas, legumes e proteínas estão sendo substituídos por outros ricos em carboidratos como pães, biscoitos e outras massas. “Isso acontece porque a população desconhece formas mais saudáveis de substituição, e acaba priorizando apenas o preço.”

Zanete alerta que essa prática nem sempre gera economias de fato e que pode levar à construção de hábitos alimentares não saudáveis, que acarretam problemas de saúde no longo prazo, como obesidade, diabetes e desnutrição (carência de vitaminas e minerais).

Indica ainda que é possível ter uma alimentação balanceada fazendo as substituições certas. “Trocas como cenoura pelo jerimum e a batata inglesa pela doce mantêm o mesmo valor nutricional e ajudam a economizar”. Optar por produtos da safra como manga, abacate e tangerina são outra opção. “O importante é fazer economia e manter a alimentação balanceada.”

Socorro Barbosa, 61 anos, dona de casa(Foto: Sarah Melo/Especial para O Povo)
Foto: Sarah Melo/Especial para O PovoSocorro Barbosa, 61 anos, dona de casa

Para a aposentada Socorro Barbosa, há outra dificuldade enfrentada por ela e por tantos outros brasileiros na hora de economizar: “esperar o dinheiro cair na conta”. Ela conta que ao receber o valor da aposentadoria, logo procura por um mercado atacarejo, onde tenta comprar os produtos em maior quantidade “antes que aumentem ainda mais de preço.”

A moradora da região da Praia de Iracema diz ser mais “prático” optar por alimentos como a galinha, que tem mais formas de preparo, inclusive com o aproveitamento das sobras em sopas e caldos.

“Nós, donas de casa, precisamos ser santas e operar milagres. Deixamos de suprir nossas necessidades porque precisamos economizar o tempo todo. Gostaria que todos pudessem comer bem. Saco seco não se põe em pé.”

O Povo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here