Chineses devem investir até R$ 400 mi em nova fábrica de geradores

46

Projeto inicial da Mingyang ainda pode sofrer mudanças relacionadas a expansões. Segundo secretário desenvolvimento econômico do Estado, empreendimento focará a construção aerogeradores para parques offshore

Os representantes chineses ainda estão entrando em contato com agentes de mercado para firmar possíveis contratos de venda, levando em consideração que o Ceará possui quatro projetos de parques eólicos no mar em avaliação. Os investimentos ainda dependem de liberação ambiental do Ibama.

Outra questão importante para a conclusão do projeto da fábrica é a possibilidade de possíveis expansões para a produção de outros itens. A Mingyang, segundo Maia Júnior, ainda poderia investir na fabricação de painéis solares e outros componentes.

Contudo, já há a previsão de que o empreendimento chinês deverá gerar cerca de 2 mil empregos na fase inicial. A expectativa é que a fábrica de aerogeradores já esteja implantada entre 2022 e 2023.

Para o secretário, o interesse dos chineses em vir ao Ceará pode ajudar a consolidar essa nova linha do mercado de geração de energia eólica no mar. Maia Júnior ainda destacou que a capacidade tecnológica da empresa asiática também é um fator de impulsão do mercado local.

Cada gerador produzido teria potência entre 11 megawatts (MW) e 15 MW. O dado representa até três vezes o valor do gerador mais potente produzido no Estado pela dinamarquesa Vestas, que tem cerca de 4,2 MW.

“É uma tecnologia nova e que tem características diferentes do que a gente tem no Ceará até agora. A chegada dos chineses está associada ao fato do Ceará já ter atraído um projetos de geração de energia offshore. É uma nova cadeia que o Ceará vai montando”, disse Maia Júnior.

Articulação 

Para buscar a inserção no mercado, a Mingyang já está em contato com representantes de projetos de parques offshore no Estado. Ainda hoje (11), os chineses deverão ter uma reunião com representantes da BI Energia para possíveis contratos de compra dos geradores.

Já na próxima semana, os chineses deverão ter um novo encontro, com outra empresa investidora no Ceará. As tratativas deverão acontecer na sede da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec).
Para Lúcio Bonfim, diretor executivo da BI Energia, a chegada dessa nova empresa é mais do que positiva. Ele ainda disse que a reunião com a Mingyang será focada em conhecer os produtos ofertados, tratando de preços, qualidade e capacidade de produção.

Diário do Nordeste
Escrito por 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here